BE exige “medidas concretas” para “atacar” causas por detrás dos novos surtos de Covid-19

O Bloco de Esquerda considera que o Governo deve tomar medidas para garantir a higiene e segurança dos portugueses nos transportes públicos e nos locais de trabalho e intervir ao nível das políticas de habitação para conter o contágio da pandemia.

Tiago Petinga/Lusa

O Bloco de Esquerda (BE) insiste na necessidade de medidas concretas para “atacar” as causas que estão por detrás do aumento do número de novos casos de Covid-19 no país. O BE considera que o Governo deve tomar medidas para garantir a higiene e segurança dos portugueses nos transportes públicos e nos locais de trabalho e intervir ao nível das políticas de habitação para conter o contágio da pandemia.

“É necessário ter medidas concretas que ataquem as causas que estão por detrás de surtos e de contágios que continuam a existir. O aumento do número de casos na região de Lisboa e Vale do Tejo não se explica unicamente pelo aumento da testagem. Existem outras explicações e existem causas por detrás destas situações”, afirmou o deputado do BE Moisés Ferreira, após a nona reunião sobre a situação epidemiológica, no Infarmed, em Lisboa.

Para o BE, é “evidente” que “as causas laborais, de transporte e de falta de habituação e dignidade da habitação devem ser áreas em que o Governo deve atuar decididamente” para conseguir mais facilmente prevenir e controlar eventuais novos focos de infeção. “Não basta limitar alguns ajuntamentos em via pública se nós não atacarmos estas verdadeiras causas”, sublinhou, referindo-se às novas regras impostas para a Área Metropolitana de Lisboa.

“Certamente que situações como transportes sobrelotados, situações de falta de condições de trabalho e falta de condições de habitação não podem ser desligadas da situação de desenvolvimento da epidemia na região de Lisboa”, sublinhou Moisés Ferreira.

O deputado bloquista acrescentou ainda que devem existir “medidas concretas” para proteger “aqueles que são mais vulneráveis à doença e que sendo infetados podem desenvolver uma forma mais grave” a Covid-19. O BE defende, por isso, que as pessoas com diabetes e hipertensão passem a estar também incluídas no regime excecional de proteção, tendo em conta que as comorbidades que apresentam podem ser um fator de risco acrescido.

Segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde divulgado esta quarta-feira pela Direção Geral de Saúde (DGS), desde o início do surto em Portugal foram registados um total de 40.104 casos confirmados da Covid-19 e 1.543 vítimas mortais. Nas últimas 24 horas, os 52 concelhos da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo contabilizaram 100% dos novos casos de infeção no país.

O aumento dos contágios na Área Metropolitana de Lisboa levou o Governo a anunciar medidas específicas para a área metropolitana, entre as quais a proibição de ajuntamentos de mais de dez pessoas, o encerramento do comércio às 20h00 e limites à venda bebidas alcoólicas e proibição do seu consumo em espaço público. Quem não cumprir estas regras fica sujeito ao crime de desobediência.

Ler mais
Recomendadas

Testes rápidos esgotam na Alemanha no primeiro dia em que foram postos à venda

O ‘website’ do Lidl bloqueou, após terem sido colocados à venda os primeiros ‘kits’ destes testes que podem ser realizados em casa, enquanto na concorrente Aldi foi registada uma grande afluência de pessoas e os testes esgotaram em poucas horas.

Portugal volta a superar os mil casos diários de Covid-19

A DGS regista este sábado mais 26 mortes e 1.007 casos confirmados da doença causada pelo novo coronavírus. O número de pessoas internadas, tanto em enfermaria como em unidades de cuidados intensivos, voltou a cair. No entanto, a Madeira registou mais 288 infeções.

Madeira recebeu mais 8.500 vacinas

Mais 8.500 vacinas contra a Covid-19 chegaram na sexta-feira à Madeira, anunciou este sábado a Força Aérea Portuguesa, que assegurou o transporte.
Comentários