BE/Lisboa garante que manterá posição crítica em matéria de Urbanismo

O vereador do BE na Câmara de Lisboa, que tem um acordo de governação com o PS, vincou esta quarta-feira que vai continuar a ter uma posição crítica em matéria de Urbanismo, apesar da demissão do vereador Manuel Salgado.

“Com a saída de Manuel Salgado, o importante não é avaliar a pessoa, mas a política de Urbanismo da cidade. Essa política é a do PS. É ela que permite os atropelos como a Torre Portugália, com créditos de construção para ignorar o PDM [Plano Diretor Municipal]. Essa política é uma passadeira vermelha aos negócios”, considera Manuel Grilo na sua página oficial da rede social Facebook.

O titular das pastas da Educação e dos Direitos Sociais defende também que o BE “tem trabalhado para uma cidade para as pessoas e tem conseguido impor alguns passos importantes, como o programa público de Renda Acessível, a construção de equipamentos públicos ou, com a força dos moradores, reverter o projeto para a praça do Martim Moniz”.

Em declarações à agência Lusa, o vereador do CDS-PP João Gonçalves Pereira destacou que é “preciso perceber se Manuel Salgado vai sair da presidência” da empresa municipal SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana.

O centrista frisou que “há uma nova câmara ali [na SRU], que estava a ser preparada há cerca de um ano”, acrescentando que foi aprovada há pouco tempo a transferência de três milhões de euros para aquela empresa municipal, que fugirão “ao escrutínio da câmara” e com “a conivência de Fernando Medina”.

Por seu turno, João Ferreira, do PCP, à semelhança de Manuel Grilo, garantiu que os comunistas vão continuar a ser críticos da política de Urbanismo na cidade.

Para o eleito, “não se perspetiva nenhuma rutura” com a política que tem vindo a ser praticada até ao momento, uma vez que o sucessor de Manuel Salgado também é socialista.

Já o vereador do PSD João Pedro Costa escusou-se a tecer comentários sobre o assunto.

Manuel Salgado, de 75 anos, é vereador do Urbanismo na Câmara de Lisboa desde as eleições intercalares de 2007, tendo também sido vice-presidente da autarquia até às autárquicas de 2013, ano em que Fernando Medina, atual presidente, passou a ser o braço direito de António Costa, então líder do executivo municipal socialista.

Segundo fonte da Câmara de Lisboa, Salgado vai deixar as funções em setembro, sendo substituído por Ricardo Veludo, o atual coordenador do Programa de Renda Acessível.

Numa entrevista divulgada hoje pelo jornal Expresso, Salgado avança com a possibilidade de se manter como presidente do conselho de administração da empresa municipal SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana.

Relacionadas

Manuel Salgado diz que “a vida pública e política piorou muito” nos últimos 12 anos

O vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, defende, na sua carta de renúncia, que “a vida pública e política piorou muito” ao longo dos últimos 12 anos, possibilitando a “manipulação dos ‘media’ e a difusão da mentira”.

Vereador Manuel Salgado vai deixar a câmara de Lisboa

Salgado, que sai ao final de 12 anos, vai ser substituído no cargo por Ricardo Veludo, coordenador da equipa de missão do Programa Renda Acessível.
Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.
Comentários