BE/Lisboa garante que manterá posição crítica em matéria de Urbanismo

O vereador do BE na Câmara de Lisboa, que tem um acordo de governação com o PS, vincou esta quarta-feira que vai continuar a ter uma posição crítica em matéria de Urbanismo, apesar da demissão do vereador Manuel Salgado.

“Com a saída de Manuel Salgado, o importante não é avaliar a pessoa, mas a política de Urbanismo da cidade. Essa política é a do PS. É ela que permite os atropelos como a Torre Portugália, com créditos de construção para ignorar o PDM [Plano Diretor Municipal]. Essa política é uma passadeira vermelha aos negócios”, considera Manuel Grilo na sua página oficial da rede social Facebook.

O titular das pastas da Educação e dos Direitos Sociais defende também que o BE “tem trabalhado para uma cidade para as pessoas e tem conseguido impor alguns passos importantes, como o programa público de Renda Acessível, a construção de equipamentos públicos ou, com a força dos moradores, reverter o projeto para a praça do Martim Moniz”.

Em declarações à agência Lusa, o vereador do CDS-PP João Gonçalves Pereira destacou que é “preciso perceber se Manuel Salgado vai sair da presidência” da empresa municipal SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana.

O centrista frisou que “há uma nova câmara ali [na SRU], que estava a ser preparada há cerca de um ano”, acrescentando que foi aprovada há pouco tempo a transferência de três milhões de euros para aquela empresa municipal, que fugirão “ao escrutínio da câmara” e com “a conivência de Fernando Medina”.

Por seu turno, João Ferreira, do PCP, à semelhança de Manuel Grilo, garantiu que os comunistas vão continuar a ser críticos da política de Urbanismo na cidade.

Para o eleito, “não se perspetiva nenhuma rutura” com a política que tem vindo a ser praticada até ao momento, uma vez que o sucessor de Manuel Salgado também é socialista.

Já o vereador do PSD João Pedro Costa escusou-se a tecer comentários sobre o assunto.

Manuel Salgado, de 75 anos, é vereador do Urbanismo na Câmara de Lisboa desde as eleições intercalares de 2007, tendo também sido vice-presidente da autarquia até às autárquicas de 2013, ano em que Fernando Medina, atual presidente, passou a ser o braço direito de António Costa, então líder do executivo municipal socialista.

Segundo fonte da Câmara de Lisboa, Salgado vai deixar as funções em setembro, sendo substituído por Ricardo Veludo, o atual coordenador do Programa de Renda Acessível.

Numa entrevista divulgada hoje pelo jornal Expresso, Salgado avança com a possibilidade de se manter como presidente do conselho de administração da empresa municipal SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana.

Relacionadas

Manuel Salgado diz que “a vida pública e política piorou muito” nos últimos 12 anos

O vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, defende, na sua carta de renúncia, que “a vida pública e política piorou muito” ao longo dos últimos 12 anos, possibilitando a “manipulação dos ‘media’ e a difusão da mentira”.

Vereador Manuel Salgado vai deixar a câmara de Lisboa

Salgado, que sai ao final de 12 anos, vai ser substituído no cargo por Ricardo Veludo, coordenador da equipa de missão do Programa Renda Acessível.
Recomendadas
medina_candidatura_1

Sondagem. Medina com nove pontos de vantagem sobre Moedas

Sondagem feita para a “RTP/Público”, aponta que Medina poderá reeleger entre sete a oito vereadores, a um lugar da maioria absoluta. Já Carlos Moedas poderá eleger entre cinco a seis vereadores.

Conselho de Ministros prepara-se para devolver ‘antigo normal’ aos portugueses esta quinta-feira (com áudio)

A próxima e última fase de desconfinamento prevê que restaurantes, cafés e pastelarias deixem de ter limite máximo de pessoas por grupo, quer no interior quer em esplanadas; estabelecimentos e equipamentos deixam também de ter limites de lotação, tal como os espetáculos culturais e eventos como casamentos e batizados. Mas regras só deverão entrar em vigor a 1 de outubro.

“Reabertura das discotecas pode contribuir para fim dos ajuntamentos”, diz presidente da junta do Bairro Alto e Cais do Sodré

“Desde o último desconfinamento que aumentaram bastante os ajuntamentos na freguesia, nomeadamente, na zona do Bairro Alto e na Zona do Cais Sodré. Estes ajuntamentos são muito superiores aos que se verificaram antes do Covid”, conta a autarca Carla Madeira.
Comentários