BE tem “disponibilidade para negociar” com Costa, mas concentrando-se no OE2021

A coordenadora do BE, Catarina Martins, assumiu esta quarta-feira manter “toda a disponibilidade para negociar” com o Governo socialista um eventual acordo formal, mas quer concentrar-se em medidas imediatas e no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

Em entrevista à revista Visão por vídeo-conferência, conduzida pelo jornalista Pedro Rainho, Catarina Martins reiterou que o BE foi o primeiro a querer chegar a um entendimento com o PS, logo no início da legislatura (outubro de 2019), mas que o executivo de António Costa recusou e não fez sequer uma “contraproposta”.

“O BE propôs esse acordo ao PS no princípio da legislatura. O PS não quis, foi recusando várias vezes e não apresentou contraproposta. Estar agora a dizer que se quer pensar o que se vai fazer em 2022 ou 2023 sem discutir o que vamos fazer já, que é tão urgente, parece-nos que não tem sentido. Temos toda a disponibilidade para negociar, mas não para negociar no abstrato, tem de ser no concreto”, afirmou.

No debate parlamentar sobre o estado da Nação, em 24 de julho, o primeiro-ministro dirigiu-se aos parceiros da denominada “geringonça” (BE, PCP e “Os Verdes”) e pediu “uma base de entendimento sólida e duradoura”, afirmando ser condição indispensável face à crise pandémica, rejeitando “competições de descolagem” entre partidos e “calculismos” eleitorais.

“Nós estamos em agosto, as conversas começaram em julho. O Governo só quis conversar sobre o futuro no final de julho quando nós temos um orçamento (OE2021) que deve entrar no parlamento no início de outubro e temos uma enorme crise neste momento. O que o BE tem defendido é que para termos uma solução para o país devemos concentrar esforços a pensar o que deve ser este OE2021, como responde à crise de uma forma muito concreta”, descreveu.

Para Catarina Martins, “se o PS quiser negociar políticas de esquerda, sabe que encontra no BE a disponibilidade e a vontade de o fazer”.

“Agora, se o PS não quiser negociar à esquerda e construir políticas de esquerda, claro que não o vai fazer com o BE. Seria tonto. Não tem nenhum sentido. Portanto, fará com o PSD”, previu.

Segundo a líder bloquista, se o PS “quiser acordo à esquerda, terá de ter políticas de esquerda: tão básico como defender quem vive do seu trabalho”, pois para o BE é claro: “entre o Novo Banco ou apoiar quem perdeu tudo, vamos escolher apoiar quem perdeu tudo com a crise”.

“Se o PS tiver a disponibilidade e der os passos concretos para alterar a legislação do trabalho, para que os salários sejam protegidos e a precariedade seja efetivamente combatida e a chantagem não seja o quotidiano de quem trabalha, claro que o BE está aqui para fazer uma maioria na defesa de quem trabalha. Se o PS tiver a vontade de cumprir com o que já acordámos sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e contratar os profissionais que já devia ter contratado, claro que estaremos cá para essa maioria, mas é preciso que o PS o faça”, continuou.

A coordenadora do BE resumiu o seu ponto de vista sobre a atual situação: “as pessoas estão a perder emprego e salário agora, com dificuldade em manter a sua habitação agora, o SNS está com problemas agora, o ano letivo está quase a começar. Portanto, é preciso agir agora”.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo e Costa felicitam Durão Barroso pela nomeação para presidente da Aliança Global para as Vacinas

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Durão Barroso é “mais um Português num cargo internacional particularmente relevante no atual contexto de pandemia coronavírus” e António Costa refere a importância da nomeação “num momento em que esta organização, que Portugal apoia, deverá ter um papel relevante na disponibilização de vacinas”.

Conselho de Estado considera UE uma “mais-valia” para Portugal num contexto “tão complexo e difícil”

Em reunião com a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, os conselheiros do Estado defenderam o uso de todos os mecanismos para uma “recuperação sustentável e transformadora” e o reforço da participação cívica nas instituições europeias.

“É necessário alterar as atuais políticas agrícolas e comerciais”, diz João Ferreira na cimeira da ONU sobre biodiversidade

Para o candidato à Presidência da República, são precisas “medidas e mudanças concretas se o que queremos são resultados positivos também concretos, em vez de pias proclamações e da repetida constatação, cimeira após cimeira, do avanço da perda de biodiversidade”.
Comentários