BEI e IFD disponibilizam 200 milhões de euros a PME portuguesas reestruturadas

Esta iniciativa vem no âmbito do Programa Capitalizar, operacionalizado pelo Ministério da Economia, que tem como objetivo proporcionar o acesso ao financiamento a pequenas e médias empresa que foram objeto de uma reestruturação e que necessitam de fundos para investir em inovação.

REUTERS/Kai Pfaffenbach

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) anunciaram, esta sexta feira, conceder financiamento às pequenas e médias empresas portuguesas que foram objeto de uma reestruturação bem-sucedida e que necessitam de fundos para investir em inovação, com o objetivo de se tornarem mais competitivas.

O financiamento é de 200 milhões de euros e o banco da União Europeia concederá um empréstimo de 100 milhões de euros de apoio à IFD.

Este novo instrumento prevê não apenas o apoio direto ao investimento em capital fixo associado ao desenvolvimento de projetos que visem a recuperação empresarial, mas também o apoio a necessidades de fundo de maneio resultantes do desenvolvimento de tais projetos.

Pedro Siza Vieira, Ministro da Economia apoia a iniciativa e explica que ”é fundamental apoiar as empresas que passaram pelo difícil processo de reestruturação. Esta linha de financiamento será um instrumento dirigido às empresas que ultrapassaram essa etapa, canalizando fundos para serem competitivas e, assim, iniciar esta nova fase da sua vida com mais solidez e confiança”, cita o comunicado.

A iniciativa vem no âmbito do Programa Capitalizar, operacionalizado pelo Ministério da Economia, e tem como objetivo proporcionar o acesso ao financiamento a empresas recentemente reestruturadas, que têm maiores dificuldades a aceder ao crédito bancário.

Recomendadas

É oficial: o café está em risco de extinção

Alterações climáticas que se têm sentido nos últimos anos estão a afetar a produção de café.

Inquilinos esperam promulgação de alterações à lei das rendas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) disse hoje à Lusa que espera que as alterações à legislação das rendas sejam promulgadas pelo Presidente da República, defendendo que estas podem ser “globalmente positivas”, mas também comportam aspetos negativos.

Reforma da supervisão financeira anunciada há quase dois anos continua por fazer

A reforma da supervisão financeira faz parte do programa do Governo, de finais de 2015, e logo em 2016 o ministro das Finanças, Mário Centeno, falou da necessidade de lançar uma “reflexão profunda” sobre a supervisão, para que “funcione melhor”, tendo em conta que “a experiência recente do sistema financeiro [português] é dececionante”.
Comentários