Bélgica com novo recorde de 591 dias sem Governo

O recorde anterior foi estabelecido em 06 de dezembro de 2011, quando o socialista francófono Elio Di Rupio conseguiu formar um governo 589 dias depois da queda do executivo liderado por Yves Leterme (democrata-cristão flamengo), em 26 abril 2009, e 541 dias depois das eleições de 13 de junho de 2010.

Ghent, Bélgica

A Bélgica bateu no domingo o recorde de 589 dias sob um Governo de gestão e conta hoje 591 dias desde a demissão, em 21 de dezembro de 2018, do então primeiro-ministro Charles Michel, segundo a imprensa belga.

O recorde anterior foi estabelecido em 06 de dezembro de 2011, quando o socialista francófono Elio Di Rupio conseguiu formar um governo 589 dias depois da queda do executivo liderado por Yves Leterme (democrata-cristão flamengo), em 26 abril 2009, e 541 dias depois das eleições de 13 de junho de 2010.

A atual crise política leva já 591 dias, tendo o Governo de Michel (liberal) caído em 21 de dezembro de 2018 e sido realizadas eleições legislativas em 26 de maio de 2019.

O executivo de gestão é atualmente liderado por Sophie Wilmès e os vários partidos das duas regiões – Flandres, de língua neerlandesa, e Valónia, francófona – não conseguiram ainda chegar a um acordo e formar uma coligação parlamentar que sustente um Governo.

Na sexta-feira, o rei Filipe dos Belgas prolongou o mandato de ‘formadores’ aos líderes dos socialistas francófonos (OS), Paul Magnette, e dos nacionalistas flamengos (N-VA), Bart de Weber, que deverão dar conta de novas diligências no próximo dia 08.

No caso de não se conseguir sair do impasse, poderão ser convocadas novas eleições.

 

Ler mais

Recomendadas

Von der Leyen aguarda “bons resultados” da presidência portuguesa da UE

Numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal desde que assumiu a presidência do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, antecipando a quarta presidência portuguesa da União, sublinha que esta “surge num momento crucial”, pois a pandemia, que provocou a maior crise na Europa desde a II Guerra Mundial, “ainda não acabou e a recuperação está ainda numa fase inicial”.

Von der Leyen: Portugal está no bom caminho energético e digital

“Já antes da pandemia, Portugal estava no bom caminho para garantir um cabaz energético mais limpo e uma maior digitalização”, declara a responsável, numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário.

Portugal será importante beneficiário do fundo de recuperação, sublinha Von der Leyen

Em entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal enquanto presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen afirma que “os cidadãos portugueses lutaram de forma muito corajosa e disciplinada contra o vírus e até têm sido mais bem-sucedidos do que outros”, e podem contar com o apoio da UE, que ajudará igualmente a “impulsionar” a retoma da economia portuguesa.
Comentários