Benjamin Netanyahu: “Jerusalém é a capital de Israel, ninguém o pode negar”

“Torna possível a paz porque reconhece a realidade e a substância da paz”, declarou o primeiro-ministro israelita esta segunda-feira, em Bruxelas, antes do encontro com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

Atef Safadi/Reuters

O primeiro-ministro israelita disse hoje em Bruxelas que o reconhecimento de Jerusalém como capital do país “torna a paz possível” no Médio Oriente.

“Jerusalém é a capital de Israel, ninguém o pode negar (…) Torna possível a paz porque reconhece a realidade e a substância da paz”, declarou Benjamin  Netanyahu hoje em Bruxelas antes do encontro com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

Trata-se da primeira visita do chefe de governo de Israel a Bruxelas e decorre num período de tensão política provocada pelo reconhecimento da cidade de Jerusalém como capital israelita pelos Estados Unidos.

A posição anunciada na semana passada pelo presidente norte-americano, Donald Trump, tem sido criticada pela União Europeia.

“Como parceiros e amigos de Israel, nós pensamos que é do interesse securitários de Israel encontrar uma solução duradoura e global” para o conflito, disse hoje Federica Mogherini, chefe da diplomacia europeia.

Mogherini condenou também “todos os ataques cometidos contra os judeus, em todo o mundo, incluindo na Europa”.

Ler mais
Relacionadas

Benjamin Netanyahu em visita tensa a Paris

O presidente francês, Emmanuel Macron, foi dos primeiros a criticar a decisão de Trump de promover Jerusalém a capital de Israel.

Macron pede a Netanyahu “o congelamento dos colonatos”

Quatro dias após a decisão de Trump fazer de Jerusalém a capital de Israel, o presidente francês pede ao primeiro-ministro israelita gestos de desanuviamento.
Recomendadas

Explosões em Beirute. Perto de 160 mortos e mais de 6 mil feridos

O ministério reviu em baixa o número de pessoas desaparecidas, indicando existirem 21, quando até agora tinha referido várias dezenas.

Mais de 60 pessoas continuam desaparecidas após a explosão em Beirute

Passaram quatro dias desde a explosão no porto de Beirute, no Líbano, que devastou a cidade e matou mais de 150 pessoas.

EUA. Serviços de inteligência revelam ameaças de interferência estrangeira nas eleições

O diretor dos serviços de inteligência dos EUA, Bill Evanina, manifestou hoje preocupação com as estratégias para a interferência nas eleições presidenciais por parte da China, Rússia e Irão.
Comentários