BES: Comissão liquidatária aponta 13 culpados pela falência do banco

O parecer da comissão imputa responsabilidades a 13 responsáveis do banco, incluindo toda a equipa de gestão encabeçada por Ricardo Salgado.

BES Av Liberdade Lisboa

A comissão liquidatária do Banco Espírito Santo (BES) acredita que existem razões para considerar a falência da instituição financeira como “culposa”, depois da perda de milhões de euros. O parecer da comissão imputa responsabilidades a 13 responsáveis do banco, incluindo toda a equipa de gestão encabeçada por Ricardo Salgado, avança o jornal ‘Correio da Manhã’.

No parecer apresentado na 1.ª Secção do Tribunal do Comércio de Lisboa, a comissão considera que “as condutas dos administradores terão gerado um prejuízo global para o BES de 5,9 mil milhões de euros”.

A comissão liquidatária fundamenta o parecer apresentado com base na venda de papel comercial da ESI e Rioforte aos balcões do BES e a concessão de financiamentos a sociedades do grupo, como a Esfil, a Rioforte e a Escom. A estas ações juntam-se outras como a ligação do BES ao BES Angola, a emissão de instrumentos financeiros e a recompra de obrigações do BES, com perdas para o banco.

As práticas pouco benéficas para o banco são imputadas a dez dos ex-membros da comissão executiva do BES: Ricardo Salgado, José Manuel Espírito Santo, José Maria Ricciardi, Amílcar Morais Pires, António Souto, João Freixa, Joaquim Goes, Jorge Martins,  Rui Silveira e Stanislas Ribes. Além disso são também mencionados os nomes de outros três responsáveis do banco: Manuel Fernando Espírito Santo, Pedro Mosqueira do Amaral e Ricardo Abecassis Espírito Santo.

Recomendadas

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.

Moody’s melhora rating da CGD e elogia cumprimento do plano estratégico

A Moody’s considerou o sucesso do banco na concretização do seu plano estratégico 2017-2020 e que está refletido nos seus rácios de capital e na melhor qualidade de ativos.
Comentários