Biden acusa Trump de nomear juíza para o Supremo para eliminar Obamacare

O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, acusou este domingo o Presidente Donald Trump de querer colocar no Supremo Tribunal dos Estados Unidos uma juíza conservadora para poder eliminar o seguro de saúde Obamacare em plena pandemia.

WILMINGTON, DELAWARE – SEPTEMBER 02: Democratic presidential nominee Joe Biden speaks on the coronavirus pandemic during a campaign event September 2, 2020 in Wilmington, Delaware. Biden spoke on safely reopening schools during the coronavirus pandemic. (Photo by Alex Wong/Getty Images)

Biden voltou a pedir que o Senado não se pronuncie antes das eleições presidenciais de 03 de novembro sobre a escolha de Amy Coney Barrett para o lugar deixado vago pela juíza Ruth Bader Ginsburg, que morreu na passada semana.

“Nunca na história do nosso país um juiz do Supremo Tribunal foi designado e colocado no decurso de uma eleição presidencial”, disse Biden numa conferência de imprensa em Wilmington, a sua cidade, no estado norte-americano de Delaware.

Em vários estados, a votação para a eleição do próximo presidente dos EUA já começou.

“O presidente Trump tenta há quatro anos eliminar o Affordable Care Act” (Ato de Cuidados Acessíveis, em tradução livre), acrescentou Joe Biden sobre o decreto do ex-Presidente Barack Obama que criou o chamado Obamacare, quando Biden era vice-presidente.

“Agora, esta administração acredita ter encontrado subitamente uma abertura com a morte trágica da juíza Ginsburg”, acrescentou.

Biden lembrou que o mundo atravessa a sua pior crise sanitária no último século e, apesar disso, “a administração Trump pede ao Supremo Tribunal a revogação do Ato de Cuidados Acessíveis”.

Juíza do Tribunal de Recurso do 7.º Circuito, em Chicago, devota católica que trabalhou com o antigo juiz conservador Antonin Scalia, Barrett mostrou-se “profundamente honrada” pela confiança demonstrada por Trump, numa cerimónia nos jardins da Casa Branca.

Barrett terá feito parte da lista de possíveis nomeados em 2018, quando Trump escolheu Brett Kavanaugh para substituir Anthony Kennedy.

Com 48 anos, caso seja confirmada, Barrett será a juíza mais jovem do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, no qual os nove elementos podem permanecer de forma vitalícia.

Os senadores republicanos tudo farão agora para que a confirmação de Barrett no Senado, que dominam, seja tão rápida quanto possível, antes das eleições presidenciais de 03 de novembro, blindando os ganhos conservadores no sistema judicial federal antes de uma potencial transição de poder.

Trump, pelo seu lado, espera que a nomeação da juíza católica lhe traga ganhos eleitorais na luta com o democrata Joe Biden pela ocupação da Casa Branca.

A ser confirmada, Barrett será o sexto dos nove membros do Supremo a ser nomeado por um presidente republicano, e o terceiro do mandato de Trump.

Ler mais
Recomendadas

Reconfinamento nacional é ainda uma medida em minoria na Europa

Na Europa, apenas o País de Gales (Reino Unido) e a Irlanda voltaram a confinar toda a sua população antes do anúncio desta quarta-feira do Presidente francês, Emmanuel Macron.

Presidente venezuelano acusa EUA e Europa de atacar refinaria e diz que há gasolina para 20 dias

O Presidente Nicolás Maduro acusou hoje os EUA e a Europa de terem atacado “com uma arma poderosa” a refinaria venezuelana de Amuay e anunciou que a Venezuela conta apenas com reservas de gasolina para 20 dias.

Filadélfia impõe recolher obrigatório após tumultos por polícia matar afro-americano

As autoridades da cidade norte-americana de Filadélfia anunciaram hoje a instauração de um recolher obrigatório, entre as 21:00 e as 06:00, depois de duas noites de tumultos, provocados pela morte de um afro-americano pela polícia.
Comentários