‘Bienvenue’: sem romper com o passado, Lagarde poderá trazer novo estilo ao BCE

A francesa que transita do FMI já está ao volante do banco central da zona euro desde o início de novembro, mas o grande momento é hoje, com a primeira reunião do Conselho de Governadores. A política monetária não deverá mudar, mas Lagarde poderá alterar o estilo da comunicação.

Mario Draghi deixou a casa arrumada, provavelmente para permitir à sucessora na chefia do Banco Central Europeu (BCE) algum tempo de adaptação e uma transição suave.

“Na sua primeira reunião como presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde deve defender a política monetária do seu antecessor e as fortes medidas adotadas a 12 de setembro, nomeadamente a descida na taxa dos depósitos, a implementação um mecanismo multi-tier nos depósitos dos bancos e a retoma de um programa de compra de ativos líquidos”, referiu Franck Dixmier, global head of fixed income da Allianz Global Investors (GI).

“Na ausência de grandes desenvolvimentos macroeconómicos desde a última reunião de outubro, não há justificação para ir mais longe nesta fase”, adiantou.

Os analistas são consensuais, dado que a reunião do Conselho de Governadores não deverá resultar em novas medidas o grande interesse é o de ser a primeira da nova presidente. “O entusiasmo não advém realmente de qualquer alteração nas políticas, mas sim de como o estilo de comunicação de Lagarde poderá ser diferente do de Draghi”, explicou Carsten Brzeski, economista-chefe do ING Germany.

O analista recordou que Draghi teve uma estreia forte no principal palco do BCE ao falar sobre detalhes dos dados económicos e que, nos oito anos à frente da instituições, o italiano não se enganou na comunicação, que era clara e muito técnica.

“Dado que os comentários de Christine Lagarde sobre a sua visão da política monetária tem sido escassos desde que chegou ao cargo, os mercados irão estar muito atentos à primeira conferência de imprensa”, sublinhou Brzeski. “Não esperamos que Lagarde mude a estrutura da comunicação introdutória à conferência, mas estaremos atentos a mudanças no estilo na linguagem na sessão de perguntas e respostas”.

O economista do ING explicou que há outros motivos de interesse, como eventuais sinais sobre a revisão estratégica que o BCE está a preparar, comentários sobre as discussões entre as ‘pombas’ e os ‘falcões’, além das novas projeções económicas (que não deverão ser muito diferentes das de setembro).

Franck Dixmier, do ING, realçou que “vai ser interessante ouvir Christine Lagarde falar sobre as opções para a revisão estratégica da política monetária, incluindo uma redefinição precisa das metas de inflação e de que forma são medidas”.

Recordou que no mandato de Mario Draghi, a inflação geral ficou em média em 1,2%, enquanto a inflação subjacente subiu para 1,1%, bem abaixo da meta do BCE. “Esse baixo desempenho exige necessariamente uma reflexão sobre os objetivos do BCE e a maneira como a inflação é medida. Apontando para uma taxa de inflação inferior – mas perto de – 2%, parece ser muito vago”, adiantou Dixmier.

“Embora não esperemos desenvolvimentos significativos a partir da reunião de 12 de dezembro, prevemos um provável corte na taxa dos depósitos no primeiro semestre de 2020, em linha com as expectativas do mercado e o nosso cenário de uma provável deterioração no contexto macroeconómico”, referiu.

Ler mais

Relacionadas

Do imposto ‘America First’ à subida das taxas do BCE: Os 10 cisnes negros de 2020 do Saxo Bank

O Saxo Bank já escolheu os “dez cisnes negros” de 2020, com uma panóplia de eventos que vão desde a criação de um novo imposto norte-americano baseado no slogan mais conhecido de Donald Trump – “America First”-, a uma subida das taxas de juro pelo Banco Central Europeu, mas entre outros, também uma nova moeda de reserva na Ásia para enfrentar o dólar.

Lagarde repete avisos de Draghi: É preciso mais investimento para estimular a economia da zona euro

Presidente do BCE optou por reforçar uma mensagem política, em detrimento de comentários sobre a política monetária da zona euro. Aos países da zona euro pede que a política orçamental, nomeadamente o investimento, acompanhe os estímulos do banco central para suportar a economia.

BCE salvou o euro em 2010 e “Portugal sabe bem disso”

Jean-Claude Trichet falava à margem da conferência do Banco de Portugal “O euro 20 anos depois: a estreia, o presente e as aspirações para o futuro”, que decorreu no Museu do Dinheiro, em Lisboa.
Recomendadas

Covid-19. Turismo de Portugal vai comparticipar descontos na restauração e alojamento

O Governo vai lançar um esquema de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.
Comentários