PremiumBiotecnológica liderada por médico português chega a Wall Street

“Há uma grande apetência do mercado e interesse dos investidores por quem trabalhe algo tão relevante como a saúde mental”, garante Tiago Reis Marques, CEO e cofundador da Pasithea Therapeutics.

Na mitologia grega, Pasithea era uma das filhas de Zeus e a deusa dos estados de consciência alterados, das alucinações ou da meditação – personificava o cérebro metamorfoseado. Longe dos mitos da Grécia Antiga e com duas décadas de carreira como médico, investigador e professor, o psiquiatra português Tiago Reis Marques é hoje o cofundador e CEO da Pasithea Therapeutics, uma empresa de biotecnologia para doenças mentais, que chegou à bolsa de Nova Iorque na semana passada, um ano depois de ter sido criada.

“O cérebro é o órgão mais complexo do ser humano. Faltava-me traduzir todo o conhecimento académico numa vertente mais prática, para a sociedade. Senti que as doenças do foro psicológico estavam muito pouco estudadas, não em termos dos sintomas ou de quais são e como são, mas de realmente saber qual a neurobiologia das doenças mentais: o que se passa dentro do cérebro para determinada pessoa ter aquela doença”, explicou o médico e gestor, em entrevista telefónica ao Jornal Económico (JE), a partir dos Estados Unidos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Toyota movido a hidrogénio bate recorde: 1.360 km sem reabastecer

O Toyota Mirai bateu o recorde de distância com um único tanque para os automóveis a hidrogénio.

Presidente demissionário da CP explica decisão no Parlamento. Veja em direto

A pedido do PSD, Nuno Freitas é ouvido esta quarta-feira na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação a pedido do PSD, para falar da sua saída e do futuro da empresa.

Operação “Cifras Negras”: PJ desmantela rede criminosa que branqueou sete milhões de euros em bancos nacionais (com áudio)

Quatro pessoas foram detidas por associação criminosa e branqueamento de capitais, revelou hoje a Polícia Judiciária (PJ), dando conta que grupo organizado, de cariz transnacional, utilizava o território nacional através de abertura de contas em vários bancos portugueses para fazer circular capitais através de empresas de fachada que constituía para o efeito.
Comentários