Bison Bank assessora emissão obrigacionista de 750 milhões de dólares

Bison Bank assessorou empréstimo obrigacionista de 750 milhões dólares da COAMI. É a terceira vez em 2020, que o banco europeu de capitais chineses e sediado em Lisboa participa na emissão de obrigações de uma empresa chinesa em dólares norte-americanos fora da China.

O Bison Bank, um banco europeu de capitais chineses sediado em Lisboa, participou este pela terceira vez numa emissão de obrigações em dólares norte-americanos fora da China. Depois de ter assessorado o empréstimo obrigacionista de dois mil milhões de dólares da China Cinda, em março, e da Huarong Finance, na valor 1,8 mil milhões de dólares, em fevereiro, o banco liderado por Bian Fang atuou como joint lead managerjoint bookrunner do empréstimo obrigacionista de 750 milhões de dólares lançado pela da China Orient Asset Management (International) Holding (COAMI).

Esta emissão de obrigações vai servir a reestruturação da dívida offshore da COAMI.

A COAMI, sediada em Hong Kong, é a plataforma de investimento detida pela China Orient Asset Management Company (COAM), que é uma gestora de ativos relevante no mercado chinês.

A operação foi realizada em duas tranches. A primeira, de 450 milhões de dólares, com maturidade a cinco anos, pagou um cupão de 1,875%. A segunda, de 300 milhões de dólares, com uma maturidade mais alongada, a dez anos, vai remunerar os subscritores em 2,75%.

Em comunicado, o Bison Bank explica que a procura atingiu os 9,8 mil milhões de dólares, superando a oferta em 13 vezes, o que permitiu à COAMI reduzir os spreads da emissão em 45 e 48 pontos base na primeira e segunda tranches do empréstimo obrigacionista, respectivamente.

As obrigações foram emitidas sob a SPV Joy Treasure Assets Holdings Inc.com garantia incondicional e irrevogável da COAMI.

A agência de notação financeira Fitch atribuiu uma notação de “A” à operação, enquanto a Standard & Poor’s, outra agência de notação financeira, atribuiu a operação a notação de “BBB+”.

Por sua vez, a COAMI tem uma notação financeira de “A”, atribuída pela Fitch, e uma notação financeira de “BBB+”, para a Standard & Poor’s.

Em junho de 2019, Bian Fang, em entrevista a Jornal Económico, explicou que o objetivo do Bison Bank passa por tornar-se numa ponte de financiamento entre a Ásia e a Europa.

 

Ler mais
Relacionadas

CEO do Bison Bank diz que a lei de segurança de Hong Kong “poderá reforçar” a estratégia do banco em ser a ligação entre a Europa e a Ásia

Bian Fang, CEO do Bison Bank, disse ao JE que a lei de segurança de Hong Kong, aprovada pelo Partido Comunista Chinês no passado dia 30 de junho, poderá até “reforçar” a estratégia do Bison Bank em tornar-se numa ponta de ligação entre os mercado europeu e asiático e não vai pôr em causa o poder financeiro da região.

Bison Bank expande negócio de renminbi ‘offshore’

Em comunicado, a instituição financeira liderada por Bian Fang, explica que, com esta aprovação, “os clientes do Bison Bank [passam a] ter acesso aos vários produtos de RMF offshore”, e permite ainda a este banco de expandir os produtos em RMB e, consequentemente, o seu negócio.

PremiumAno do Rato: Infraestrutura aprofunda ligações entre Portugal e China

O Ano do Rato, cujas comemorações começaram com uma semana de antecedência em Portugal, deverá trazer prosperidade e acumulação de riqueza. António Costa já veio dizer que as ligações entre Portugal e China são “historicamente de grande amizade” e deverão ser desenvolvidas com mais investimentos chineses, avisa Fang Bian, CEO em Portugal do Bison Bank. Até porque se trata de um país estratégico na nova Rota da Seda.
Recomendadas

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.

Sistema informático do BPI certificado pelo CMMI Institute

O BPI vê assim reforçada a capacidade de resposta às exigências das entidades de Supervisão Bancária na área do risco tecnológico.

Euro digital vai acontecer “com grande probabilidade”, diz especialista do London School of Economics

Ricardo Reis, professor da London School of Economics, acredita que o Banco Central Europeu acabará por emitir o euro digital. Bancos comerciais vão continuar a existir e a dirimir a relação com clientes, mas as moedas estáveis vão “perder grande parte do seu apelo”.
Comentários