PremiumBitcoin volta a passar dos 50 mil dólares e analistas dizem que pode subir mais

O criptoativo mais conhecido do mundo voltou a valorizar em força no último mês, passando novamente os 50 mil dólares depois da quebra em maio, e poderá atingir novos recordes. Mas volatilidade deverá continuar.

A Bitcoin voltou a dar novas provas da sua volatilidade nas últimas semanas, com o ativo a valorizar cerca de 67% desde os mínimos de 20 de julho até ultrapassar novamente a barreira dos 50 mil dólares (42,53 mil euros) no dia 23 de agosto. Este ressurgimento depois da queda de meados de maio tem vários motores, explicam os especialistas contactados pelo JE, e reforça a resiliência dos criptoativos face ao aumento de regulamentação de que têm sido alvo, não estando descartado a renovação de novos máximos históricos.

Depois de ter passado algumas semanas a rondar os 30 mil dólares (25,51 mil euros), a Bitcoin retomou a trajetória ascendente a partir de 21 de julho e foi acumulando ganhos até ultrapassar novamente os 50 mil dólares, um valor agora visto como uma resistência depois de, entre março e julho, ter sido um suporte testado apenas por uma vez. O retorno a estes valores é, em parte, uma correção depois das significativas quedas de há três meses, mas a tendência deverá passar por uma manutenção desta volatilidade, perspetiva Filipe Garcia, presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Beneficiários de prestações de desemprego caem 5,4% em outubro para 216.631

Em relação ao mês anterior verificou-se assim uma redução de 17.636 beneficiários de prestações de desemprego e, face ao período homólogo, registaram-se menos 12.332 beneficiários.

Dedução majorada a partir do segundo filho chegou a 75.528 famílias e custou 13 milhões de euros

Em causa está a majoração do valor dedutível ao IRS dirigida a famílias com dois ou mais dependentes, sendo esta de 900 euros por cada criança com idade inferior a três anos de idade.

Efeito da pandemia nas contas públicas foi de 5.120 milhões de euros até setembro

A UTAO explica que “as medidas classificadas como extraorçamentais têm a sua despesa inteiramente financiada por fundos comunitários e os seus beneficiários são externos ao universo das AP”.
Comentários