PremiumBitcoin volta a passar dos 50 mil dólares e analistas dizem que pode subir mais

O criptoativo mais conhecido do mundo voltou a valorizar em força no último mês, passando novamente os 50 mil dólares depois da quebra em maio, e poderá atingir novos recordes. Mas volatilidade deverá continuar.

A Bitcoin voltou a dar novas provas da sua volatilidade nas últimas semanas, com o ativo a valorizar cerca de 67% desde os mínimos de 20 de julho até ultrapassar novamente a barreira dos 50 mil dólares (42,53 mil euros) no dia 23 de agosto. Este ressurgimento depois da queda de meados de maio tem vários motores, explicam os especialistas contactados pelo JE, e reforça a resiliência dos criptoativos face ao aumento de regulamentação de que têm sido alvo, não estando descartado a renovação de novos máximos históricos.

Depois de ter passado algumas semanas a rondar os 30 mil dólares (25,51 mil euros), a Bitcoin retomou a trajetória ascendente a partir de 21 de julho e foi acumulando ganhos até ultrapassar novamente os 50 mil dólares, um valor agora visto como uma resistência depois de, entre março e julho, ter sido um suporte testado apenas por uma vez. O retorno a estes valores é, em parte, uma correção depois das significativas quedas de há três meses, mas a tendência deverá passar por uma manutenção desta volatilidade, perspetiva Filipe Garcia, presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Premium“Infelizmente, OE continua a manter taxação de IVA para solicitadores, advogados e notários”

Bastonário lamenta que OE2022 mantenha taxação de IVA de atos jurídicos efetuados em concorrência com o Estado, o que é “muito lesiva” aos cidadãos. Teme ainda cobranças ilegais e quer sorteio de agentes de execução.

Englobar mais-valias pode ditar menos rendimento líquido, segundo consultora Ilya

Os cálculos da Ilya têm em conta dois contribuintes com um salário anual de 77.500 euros, com um a somar a este rendimento mais-valias e 7.500 euros e o outro a registar mais-valias de 6.000 euros.

Alterações ao IRS não configuram “desagravamento substancial e generalizado”, dizem fiscalistas da KPMG e Católica

Leonardo Marques dos Santos, professor de Direito Fiscal da Faculdade de Direito da Universidade Católica, relembra que nem todos os contribuintes são jovens nem têm filhos, numa das críticas feitas às medidas apresentadas pelo Governo na proposta de OE2022.
Comentários