PremiumBlack Friday ajuda Worten a superar vendas do ano passado antes do Natal

Em cima do ponto alto da ‘Black Friday’, o COO da participada da Sonae revela que este período já tem um pico de vendas superior ao do Natal. Empresa vai apostar na venda de produtos não eletrónicos.

A Black Friday, que hoje tem o seu dia tradicional mais intenso, vai ajudar a Worten a fechar o presente exercício um pouco acima das vendas verificadas em 2018. “Há cerca de duas semanas, as vendas da Worten conseguiram igualar o registo verificado no mesmo período do ano passado, pelo que posso prever um ligeiro crescimento do negócio. Em termos consolidados, 2019 deverá ser um que deveremos encerrar flat em relação ao ano passado em vendas consolidadas, devido aos ajustes a que tivemos de proceder na mainland Espanha, mas em Portugal vamos registar o melhor ano de vendas. Temos uma previsão de chegar a 1,1 mil milhões de euros em vendas em 2019. É preciso ver que no terceiro trimestre fechámos nove lojas em Espanha mainland. Depois disso, já fechámos mais duas. A partir deste novo enquadramento, a perspetiva de futuro da Worten é bastante otimista”, defende Mário Pereira, COO (administrador operacional) da rede de distribuição especializada em eletrónica detida pela Sonae SGPS.

Este responsável diz-nos que, na prática, a Worten já está a trabalhar em regime de Black Friday desde 4 de novembro. Pelo meio surgiu um fenómeno com raízes mais recentes, o Single’s Day, 11 de novembro. Terminada a Black Friday, surge a Cyber Monday, na próxima segunda-feira. Depois, vem o Natal. Um período de grande azáfama, mas hoje em dia, como revela Mário Pereira, em entrevista ao Jornal Económico, “o nosso pico de vendas já é superior na Black Friday do que no Natal”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

DHL. Entregas de encomendas vão ficar mais caras a partir de 1 janeiro de 2022

A empresa de logística avançou com um ajustamento na tabela de preços e anunciou que os consumidores em Portugal vai pagar mais 4,9%, comparativamente a 2021, pela entrega de encomendas.

Vendas da dona do Minipreço descem 5% em Portugal

Na operação em Portugal as vendas líquidas caíram -4,2% para 296,3 milhões num ano. “Foram afetadas por restrições nos horários de abertura de lojas e uma base de lojas 12,1% menor relativamente ao mesmo período de 2020”, diz o grupo espanhol.

Número de reclamações no sector das comunicações aproxima-se dos níveis pré-pandemia

Queixas caíram 8%, para 28.4 mil reclamações, no segundo trimestre do ano. No sector das comunicações eletrónicas, a NOS foi o operador mais reclamado, enquanto, no sector postal, os CTT foram a empresa mais visada nas reclamações, de acordo com a Anacom.
Comentários