BlueShift: o agente ativo de uma indústria hoteleira mais competitiva

Consultoria, gestão integrada ou de áreas específicas de um hotel e gestão de ativos para investidores não hoteleiros são alguns dos serviços da empresa, que se apresentou como uma solução 360º para investidores e operadores do setor

Sob a assinatura “Achievers Make the Change” (Empreendedores fazem a diferença), a BlueShift, agente ativo no ganho de competitividade do setor hoteleiro, evidencia a promessa de transformação e entrega de resultados, através de uma equipa especialista em gestão hoteleira.

Seja por via de um consumidor cada vez mais exigente e poderoso, de um sistema de distribuição mais complexo e em constante mutação, ou do impacto da tecnologia na relação entre o hotel e o hóspede, o setor hoteleiro está em profunda mudança. O desafio para as organizações hoteleiras é enorme, obrigando a uma reavaliação permanente de estratégias e formas de organização, sem perder o foco na gestão corrente.

A empresa lança-se no mercado como uma solução 360º para investidores e operadores do setor. O portfólio de serviços vai desde a consultoria à gestão integrada ou de áreas específicas de um hotel, estendendo-se ainda à gestão de ativos para investidores não hoteleiros.

O executivo Filipe Santiago junta-se ao fundador e CEO da BlueShift, Francisco Nogueira de Sousa, para assumir o papel de Partner e Head of Development and Consulting.

A BlueShift assenta numa organização por “Achievement Centers”, liderados por especialistas experientes em cada área do negócio, como rooms operations, F&B operations, revenue management, sales management ou finance and control, totalizando nove unidades especializadas.

Além disto, a abordagem da BlueShift é, também, definida por uma atitude de desafio e inovação, a nível estratégico e operacional, e pela capacidade de fazer acontecer no terreno, através do apoio e capacitação das equipas.

Nos hotéis sob gestão integrada BlueShift, um diretor destacado pela BlueShift gere a operação de forma autónoma, liderando a equipa do cliente, e trazendo o apoio dos “Achievement Centers” sempre que necessário. Noutros casos, a intervenção da empresa ocorre numa área específica e confinada, como a gestão comercial e de marketing ou o revenue management.

Nos projetos de consultoria, é destacado um diretor e montada uma equipa, que combina consultores dedicados e responsáveis dos “Achievement Centers” relevantes. O perfil dos projetos é variado, podendo ir desde um estudo de mercado, desenvolvimento de conceito e análise de viabilidade económica de uma nova unidade, até à otimização operacional de uma determinada área funcional ou outlet.

Até ao momento, a BlueShift gere um portfólio diversificado de oito unidades, totalizando 650 quartos em grandes hotéis, hotéis boutique de perfil histórico, urbano ou rural, todos ativos reconhecidos no mercado, e alguns geridos sob marca internacional. Lançada em setembro, a área de consultoria entregou já o primeiro projeto e tem diversos trabalhos em curso ou em pipeline, para clientes de perfil diversificado.

A missão da BlueShift passa, também, por captar talento para o setor, através de uma relação de proximidade e parceria com as melhores escolas de gestão, como a Nova SBE e a Universidade Católica, de Lisboa, o que permite identificar e atrair estudantes com elevado potencial para integrarem projetos da BlueShift ou as organizações clientes.

Ler mais
Recomendadas

Startups portuguesas premiadas em evento da InnoEnergy

Pro-Drone e BeOn ficaram no primeiro e segundo lugar, respetivamente do “Pitching Contest” no evento “The Business Booster” realizado na Dinamarca, em Copenhaga.

Conselho Europeu de Inovação premeia sete entidades em Portugal

Nesta primeira ronda de financiamento, o FET Open recebeu 375 propostas e atribuiu financiamento a 236 beneficiários de 23 países europeus.

Ativos da InnoEnergy vão poupar mais de 800 milhões de euros em custos de energia

O relatório de impacto inaugural da empresa, divulgado na conferência de imprensa do “The Business Booster”, que decorre em Copenhaga, na Dinamarca, mostra ainda que estes ativos vão reduzir as emissões de carbono num total de 5,5 milhões de toneladas em 25 anos, o equivalente a remover 47 mil carros da estrada. O evento dedicado às inovações no setor da energia contou com a presença de nove startups portuguesas.
Comentários