BMW regista perdas de 362 milhões de euros no primeiro semestre de 2020

Esta verba representa uma quebra de 82,5% em relação ao período homólogo de 2019. No segundo trimestre, as perdas do grupo automóvel foram de 212 milhões, em comparação com o lucro de 1.480 milhões alcançado no segundo trimestre de 2019.

A BMW registou no primeiro semestre do ano perdas de 362 milhões de euros, o equivalente a 82,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo informa o jornal “El Economista” esta quarta-feira, 5 de agosto.

No segundo trimestre, as perdas do grupo automóvel alemão foram de 212 milhões, em comparação com o lucro de 1.480 milhões alcançado no segundo trimestre de 2019.

A faturação do grupo BMW caiu nos primeiros seis meses para 43.225 milhões de euros, menos 10,3% da taxa interanual, principalmente no setor automóvel, que caiu 21,4% entre janeiro e junho e, em menor grau nas motas (-17,8%).

O resultado operacional caiu para 709 milhões de euros, uma quebra de 74,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, após registar perdas na categoria de automóveis de 1.325 milhões de euros, comparado com o lucro de 1.159 milhões euros do ano passado.

As vendas de automóveis nos primeiros seis meses do ano caíram 23% em relação ao ano anterior, para 962.575 unidades, enquanto as entregas de motos caíram 17,7%, para 76.707 unidades.

Em termos de previsões, a BMW prevê que a procura em todos os principais mercados “cairá significativamente à luz da pandemia de coronavírus e das medidas de contenção necessárias”.

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários