BNI Europa e Edebex juntam-se à Moloni para transação de faturas online de empresas

O Banco BNI Europa e a Edebex que há um ano estabeleceram uma parceria para disponibilizar uma plataforma on-line de compra e venda de faturas a empresas portuguesas com necessidades de tesouraria,decidiram alargar a parceria agora à Moloni – Software de Faturação Online.

Foto cedida

O Banco BNI Europa  e a Edebex que há um ano estabeleceram uma parceria para disponibilizar uma plataforma on-line de compra e venda de faturas a empresas portuguesas com necessidades de tesouraria, “constituindo, assim, uma alternativa inovadora ao crédito financeiro e factoring tradicional”, decidiram alargar a parceria agora à Moloni – Software de Faturação Online.

“Para cimentar a parceria e comemorar a data, as duas entidades decidiram ir mais além, e tendo como objetivo continuar a auxiliar as empresas na gestão da sua tesouraria, alargaram a parceria ao Moloni – Software de Faturação Online, integrando ambas as plataformas (Edebex e Moloni) e proporcionando aos utilizadores Moloni a possibilidade de, no momento em que emitem uma fatura, saber se a mesma é elegível para desconto na plataforma da Edebex e proceder de imediato ao seu desconto, acrescentando assim valor ao serviço já prestado”, explica o BNI Europa.

As faturas que as empresas inserem na plataforma Edebex são vendidas a investidores libertando a empresa do risco de não pagamento.

“O processo de financiamento é inovador na medida que não implica garantias, caução, processo de crédito ou contrato que vincule a empresa no período da sua duração”, explica o banco liderado por Pedro Pinto Coelho. Nesta atividade a empresa recebe o dinheiro da venda da fatura na sua conta à ordem no prazo médio de 72 horas, sendo que este prazo é reduzido se for cliente do Banco BNI Europa.

Segundo Pedro Pinto Coelho, Presidente Executivo do Banco BNI Europa: “A nossa estratégia de investimento na economia portuguesa, nomeadamente no segmento das PME’s continua a ter como pilar a parceria com a Edebex, e agora a Moloni, sendo estas parcerias uma das iniciativas inovadoras que temos vindo a desenvolver de momento, tudo com vista a reforçar a nossa presença no mercado português”.

O CEO do banco destaca que para ter acesso a estas plataformas não é necessário ter conta no BNI Europa, “situação que é também ela inovadora no mercado português”.

O Banco BNI Europa é um banco com uma arquitetura aberta e “tem como objetivo estabelecer parcerias deste tipo, quer em Portugal, como a nível internacional “destaca o gestor”.

“O Banco BNI Europa é igualmente um investidor na Edebex, tendo investido em 2018 até à data 70 milhões de euros”, diz o CEO do banco.

“A própria ideia é simples”, diz Xavier Corman, co-fundador e CEO da Edebex. “Por um lado, permitimos que as PME com problemas de fluxo de tesouraria vendam on-line as suas faturas de clientes recebendo os fundos de que precisam rapidamente, sem ter que esperar que as faturas atinjam o vencimento. Por outro lado, oferecemos aos investidores a oportunidade de comprar essas faturas, e desse modo, um investimento de muito baixo risco que oferece um retorno muito mais alto do que qualquer outra alternativa no mercado”.

Esta plataforma on-line de compra / venda encontra-se já disponível na Bélgica, França, Luxemburgo e Portugal.

Tendo iniciado a atividade em 2014, em Setembro a Edebex anunciou que passou a marca de 275 milhões de euros em compras e vendas de faturas através da plataforma on-line.

Já Ruben Costa, co-fundador e CEO da Moloni, diz no mesmo comunicado que “queremos proporcionar uma experiência de utilização de excelência a quem utiliza o Moloni. Isso só é possível através da melhoria contínua do nosso produto, qualidade do nosso suporte mas também pela criação de parcerias estratégicas como esta que estabelecemos com a Edebex e o Banco BNI Europa”.

 

Ler mais
Recomendadas

Banco de Fomento lança duas novas linhas de apoio à economia no valor de 1.100 milhões de euros

Banco Português de Fomento abre esta segunda-feira as candidaturas para as novas linhas de crédito. A linha de apoio para as empresas exportadoras da indústria e do turismo tem uma dotação global de 1.050 milhões de euros, enquanto a linha de apoio às empresas de montagem de eventos tem uma dotação de 50 milhões de euros.

“É quase inevitável que o crédito malparado comece a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Lesados do Banif e das sucursais exteriores do BES acusam Governo de violar “o princípio constitucional da igualdade”

A ALEV (Associação de Lesados Emigrantes da Venezuela e África do Sul) e a ABESD – Associaçao de Defesa dos Clientes Bancários vêm falar em “potencial violação do princípio constitucional da igualdade” em reação à notícia de que Governo pode não dar garantia a lesados das sucursais exteriores do BES e aos lesados do Banif.
Comentários