BNI Europa e Edebex juntam-se à Moloni para transação de faturas online de empresas

O Banco BNI Europa e a Edebex que há um ano estabeleceram uma parceria para disponibilizar uma plataforma on-line de compra e venda de faturas a empresas portuguesas com necessidades de tesouraria,decidiram alargar a parceria agora à Moloni – Software de Faturação Online.

Foto cedida

O Banco BNI Europa  e a Edebex que há um ano estabeleceram uma parceria para disponibilizar uma plataforma on-line de compra e venda de faturas a empresas portuguesas com necessidades de tesouraria, “constituindo, assim, uma alternativa inovadora ao crédito financeiro e factoring tradicional”, decidiram alargar a parceria agora à Moloni – Software de Faturação Online.

“Para cimentar a parceria e comemorar a data, as duas entidades decidiram ir mais além, e tendo como objetivo continuar a auxiliar as empresas na gestão da sua tesouraria, alargaram a parceria ao Moloni – Software de Faturação Online, integrando ambas as plataformas (Edebex e Moloni) e proporcionando aos utilizadores Moloni a possibilidade de, no momento em que emitem uma fatura, saber se a mesma é elegível para desconto na plataforma da Edebex e proceder de imediato ao seu desconto, acrescentando assim valor ao serviço já prestado”, explica o BNI Europa.

As faturas que as empresas inserem na plataforma Edebex são vendidas a investidores libertando a empresa do risco de não pagamento.

“O processo de financiamento é inovador na medida que não implica garantias, caução, processo de crédito ou contrato que vincule a empresa no período da sua duração”, explica o banco liderado por Pedro Pinto Coelho. Nesta atividade a empresa recebe o dinheiro da venda da fatura na sua conta à ordem no prazo médio de 72 horas, sendo que este prazo é reduzido se for cliente do Banco BNI Europa.

Segundo Pedro Pinto Coelho, Presidente Executivo do Banco BNI Europa: “A nossa estratégia de investimento na economia portuguesa, nomeadamente no segmento das PME’s continua a ter como pilar a parceria com a Edebex, e agora a Moloni, sendo estas parcerias uma das iniciativas inovadoras que temos vindo a desenvolver de momento, tudo com vista a reforçar a nossa presença no mercado português”.

O CEO do banco destaca que para ter acesso a estas plataformas não é necessário ter conta no BNI Europa, “situação que é também ela inovadora no mercado português”.

O Banco BNI Europa é um banco com uma arquitetura aberta e “tem como objetivo estabelecer parcerias deste tipo, quer em Portugal, como a nível internacional “destaca o gestor”.

“O Banco BNI Europa é igualmente um investidor na Edebex, tendo investido em 2018 até à data 70 milhões de euros”, diz o CEO do banco.

“A própria ideia é simples”, diz Xavier Corman, co-fundador e CEO da Edebex. “Por um lado, permitimos que as PME com problemas de fluxo de tesouraria vendam on-line as suas faturas de clientes recebendo os fundos de que precisam rapidamente, sem ter que esperar que as faturas atinjam o vencimento. Por outro lado, oferecemos aos investidores a oportunidade de comprar essas faturas, e desse modo, um investimento de muito baixo risco que oferece um retorno muito mais alto do que qualquer outra alternativa no mercado”.

Esta plataforma on-line de compra / venda encontra-se já disponível na Bélgica, França, Luxemburgo e Portugal.

Tendo iniciado a atividade em 2014, em Setembro a Edebex anunciou que passou a marca de 275 milhões de euros em compras e vendas de faturas através da plataforma on-line.

Já Ruben Costa, co-fundador e CEO da Moloni, diz no mesmo comunicado que “queremos proporcionar uma experiência de utilização de excelência a quem utiliza o Moloni. Isso só é possível através da melhoria contínua do nosso produto, qualidade do nosso suporte mas também pela criação de parcerias estratégicas como esta que estabelecemos com a Edebex e o Banco BNI Europa”.

 

Ler mais
Recomendadas

CEO da JP Morgan diz que criação de imposto sobre fortuna é “quase impossível”

“Não sou contra impostos mais elevados para os ricos. Mas acho que fazê-lo através dos rendimentos, em vez de calcular a riqueza, torna-se extremamente complicado, legalista, burocrático e regulatório, e as pessoas encontram um milhão de formas para escapar a essa situação”, explica Jamie Dimon.

Sindicatos bancários alertam Banco Montepio de que não vão tolerar pressões aos trabalhadores

“O SNQTB, SBN e SIB irão analisar com detalhe o plano apresentado pelo presidente da Comissão Executiva do Banco Montepio e alertam que não irão tolerar qualquer forma de pressão junto dos trabalhadores para que aceitem reformas antecipadas ou rescisões por mútuo acordo, se essa não for a sua livre vontade”, pode ler-se no comunicado.

Montepio confirma a sindicatos saída de 800 trabalhadores até 2022

Sindicatos dos bancários estão reunidos com administração do banco, depois de terem recebido ontem com surpresa a notícia de uma eventual dispensa de centenas de trabalhadores. Presidente executivo confirmou que plano de reestruturação prevê saída de 800 trabalhadores até 2022. Sindicatos dizem que “será algo de uma magnitude nunca vista na Europa”.
Comentários