BNI Europa estabelece parceria com empresa alemã para concretizar a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco.

Foto cedida

O Banco BNI Europa celebrou uma parceria estratégica com a NDGIT, empresa alemã fornecedora da primeira plataforma API [Application Programming Interface], para banca e seguros na Europa.

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco liderado por Pedro Pinto Coelho.

“Para cumprir rápida e eficientemente todos os requisitos da PSD2 (diretiva de serviços de pagamento) o Banco BNI Europa decidiu implementar o “PSD2 Ready”, a solução de software padronizada inteligente da NDGIT que segue as normas definidas pelo Berlin Group RTS”, diz o comunicado.

A Payment Services Directive 2 (PSD2) é uma diretiva da União Europeia, cujo objetivo é contribuir para a criação de um mercado único de serviços de pagamento na Europa mais integrado.

Segundo Pedro Pinto Coelho, CEO do Banco BNI Europa, “a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento (PSD2) entrará na sua próxima fase em 14 de março, data a partir da qual os bancos terão de fornecer um ambiente de testes incluindo documentação contendo informações sobre as contas de depósito dos seus clientes e sobre os serviços de pagamentos que executam, por isso, consentâneo com a nossa estratégia de arquitetura aberta, o NDGIT é o melhor parceiro para a sua concretização. Num negócio onde tempo é dinheiro, a implementação de uma solução em apenas 60 dias úteis, permite-nos cumprir prazos e regulamentação num curto período de tempo”.

“É importante lembrar que o PSD2 não significa apenas novas obrigações para o Banco BNI Europa, mas também um grande potencial e oportunidades de desenvolvimento para o futuro. Isto porque como prestadores de serviços terceiros (TPPs), os bancos também podem usar os dados de outros bancos para oferta inovadoras de produtos – desde que tenham implementado a infraestrutura digital. Para um banco que pretende desafiar o sistema bancário tradicional, esse é um caminho que queremos seguir para reforçar o nosso papel de líder na geração das Fintech ”, acrescentou Pedro Pinto Coelho.

Já Oliver Dlugosch, CEO da NDGIT refere que “ter o Banco BNI Europa como cliente no mercado português é para nós estrategicamente importante. Nesta data a NDGIT já está a trabalhar com sucesso em mais de 20 bancos na Europa, e a cooperação com o Banco BNI Europa aumenta o número de países no nosso mapa de atuação, confirmando ainda mais a nossa competência em Open Banking e apoiando fundamentalmente os nossos negócios e o nosso crescimento internacional”.

“A solução chave-na-mão desenvolvida pela NDGIT, “PSD2 Ready”, oferece APIs prontas com conectores backend que vão ao encontro dos padrões técnicos do Berlin Group, STET ou UK Open Banking. A PSD2 inclui uma funcionalidade para cumprimentos de requisitos regulatórios (RTS) desde a gestão de terceiros à produção de relatórios obrigatórios”, explica o banco.

O software pode ser configurado de “forma flexível atendendo aos complexos requisitos informáticos bancários, adaptando-se de forma eficiente às várias opções padronizadas e respetivas autorizações da API. A NDGIT assegura a implementação de atualizações e extensões de forma centralizada sem precisar adaptação às interfaces bancárias individuais”, contextualiza a nota do BNI.

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumNova administração da CGD tem de chegar ao BCE até fim de fevereiro

A CGD corre contra o tempo para apresentar uma lista de administradores para o novo mandato até fim de fevereiro, pois o processo de avaliação do Banco Central Europeu tem de estar concluído antes da AG de maio.

Sonangol diz que participação na Galp continua a ser um “interesse estratégico”

Em relação à participação de 19,49% no Millennium bcp, o presidente da Sonangol afirmou: “Somos parceiros do BCP, e se alguma vez tivermos de nos desfazer da nossa participação, fá-lo-emos em estreita coordenação com o Governo e com os nossos parceiros no banco”.

BES: Banco de Portugal e Ministério Público recorrem de absolvição da KPMG

Em resposta à Lusa, o Banco de Portugal (BdP) afirma que interpôs na quinta-feira “recurso para o Tribunal da Relação quanto à sentença proferida pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão no processo n.º 80/19.5YUSTR, que absolveu a KPMG Portugal e cinco dos seus auditores da decisão condenatória proferida pelo Banco de Portugal no processo de contraordenação n.º 100/14/CO”.
Comentários