Bolsa de Lisboa em terreno negativo. Bolsas europeias em alta à espera de decisões da Fed

Os mercados vão estar atentos às decisões que vão sair hoje da reunião da Reserva Federal norte-americana, com os analistas a preverem que a Fed anuncie um novo corte na taxa diretora para 1,75%-2%.

O PSI 20 está a recuar 0,40% para 5.036,11 pontos. A bolsa de Lisboa segue em tendência inversa às principais praças europeias que negoceiam em terreno negativo. Frankfurt (0,11%), Paris (0,24%), Milão (0,49%), Madrid (0,05%) e Londres (0,28%).

Os mercados vão estar esta quarta-feira, 18 de setembro, atentos às decisões que vão sair da Reserva Federal norte-americana, com os analistas a preverem que a Fed, presidida por Jerome Powell anuncie um novo corte na taxa diretora para 1,75%-2%.

As quedas em Lisboa estão a ser lideradas pela Jerónimo Martins que recua 1,74% para 15,8350 euros.

Segue-se a Mota-Engil que perde 1,06% para 2,0480 euros e a Pharol que recua 1,02% para 0,1166 euros.

Destaque para o BCP que desvaloriza 1,07% para 0,2033 euros e para a REN que recua 0,40% para 2,520 euros.

Na quarta-feira, a agência Fitch alertou que a multa no valor de 225 milhões de euros imposta pela Autoridade da Concorrência (AdC) aos a 14 bancos por terem levado a cabo práticas anti-concorrenciais poderá prejudicar os resultados dos bancos, embora sem afetar os ratings destas instituições. Recorde-se que o BCP foi multado em 60 milhões de euros pela Concorrência. O banco já anunciou que vai recorrer da decisão.

Do lado dos ganhos, a Ibersol avança 0,74% para 8,140 euros, seguida dos CTT que sobem 0,46% para 2,2020 euros. Segue-se a Navigator (0,24% para 3,2670 euros), a NOS (0,20% para 5,13 euros) e a Altri (0,16% para 6,17 euros).

O BCP é a cotada mais ativa no PSI 20 esta quarta-feira, com 5,81 milhões de ações negociadas. Segue-se a EDP (461,91 mil) e a Pharol (416,47 mil).

Ler mais
Relacionadas

‘Same again, please’: Fed deverá fazer novo corte de 25 pontos base na taxa de juro

Os analistas prevêem que o banco central norte-americano anuncie um novo corte na taxa diretora para 1,75%-2%. Depois disso é difícil dizer para onde irá a política monetária. Mas uma coisa é certa, Trump vai achar que o corte é curto.

Fitch: multa da Concorrência aos bancos pode dificultar resultados

“No total, os 225 milhões de euros em multas contariam menos de 20% dos lucros do setor de 2018”, disse a agência de notação. Ainda assim, e apesar dos progressos registados pela banca nacional recentemente, a Fitch considera que os bancos poderão melhorar em áreas de governança.

Um passo atrás da Fed e do BCE, bancos centrais em Londres e Tóquio têm de esperar para lançar estímulos

Os bancos centrais do Japão e de Inglaterra têm reuniões esta quinta-feira e ambos têm razões para adiar novas medidas acomodatícias para combater as incertezas globais. No caso do primeiro será o aumento do IVA, enquanto no do segundo a causa do atraso será o suspeito do costume: o Brexit.
Recomendadas

Bolsa nacional acompanha Europa, dominada pelo tema Brexit

Em Lisboa, há quinze empresas cotadas a negociar em alta, uma em baixa e duas sem variação.

Brexit, uma história interminável

O mercado está agora numa fase de algum risco acrescido, que a época de resultados não tem conseguido amenizar, até porque as empresas não fazem milagres e o ambiente económico é hoje bem mais desafiante do que há um ano

Topo da agenda: tudo o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A reunião do BCE esta quinta-feira será a última do mandato de Mario Draghi, numa semana na qual a incerteza sobre o Brexit irá continuar. A época de resultados chega ao PSI 20, com a Galp e a Jerónimo Martins a divulgarem números do terceiro trimestre.
Comentários