Bolsa de Lisboa fecha semana com ganhos

Em destaque estiveram as subidas do BCP, de 1,44%, e da EDP, de 1,63%. A EDP Renováveis, a Galp Energia e a NOS também subiram mais de 1%. Por outro lado, a Ibersol fechou em contraciclo com um tombo de 6,82% para 4,10 euros.

Simon Dawson/Reuters

As bolsas europeias terminaram a semana com ganhos, inclusive a de Lisboa. O principal índice bolsista português, PSI-20, encerrou as negociações desta sexta-feira, 16 de outubro, com uma subida de 0,79% para os 4.228,02 pontos, acompanhando o ‘verde’ das suas congéneres do ‘Velho Continente’.

Em destaque estiveram as subidas do BCP, de 1,44% para 0,07 euros, e da EDP, de 1,63% para 4,55 euros. A EDP Renováveis, a Galp Energia e a NOS também subiram mais de 1%. Por outro lado, a Ibersol fechou em contraciclo com um tombo de 6,82% para 4,10 euros.

Na Europa, o sentimento foi igualmente otimista, tal como está a ser no outro lado do Atlântico. O índice espanhol IBEX 35 fechou com uma subida de 0,48%, o alemão DAX subiu 1,62%, o francês CAC 40 avançou 2,04%, o britânico FTSE 100 somou 1,49%, o holandês AEX ganhou 1,38% e o italiano FTSE MIB valorizou 1,70%. O Euro Stoxx 50 ficou marcado por uma valorização de 1,65%.

“O índice francês CAC liderou os ganhos, impulsionado pelo retalho de luxo (LVMH, Kering) e pelo setor de viagens e lazer (Peugeot, Renault e Airbus). No universo Stoxx600 os ganhos foram generalizados, com o setor imobiliário e das telecomunicações a serem as exceções às valorizações. O setor automóvel foi aquele que mais subiu, após a indicação de que as vendas de veículos na Europa cresceram 1,1% em termos homólogos no mês de setembro”, explicou Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, numa nota de mercado.

Em relação ao petróleo, o valor do WTI, produzido no Texas, cai 0,44% para 40,78 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a desvalorizar 0,63% para 42,89 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro valoriza 0,13% face ao dólar, para 1,1721 dólares, e a libra sobe 0,07% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,2923 dólares, depois de ter estado a desvalorizar perante os rumores de não haver acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

“De acordo com a agência de notícias Reuters, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciará não haverá progresso durante a cimeira da UE e significa que o Reino Unido precisa de se preparar para uma saída sem acordo em janeiro. No entanto, isso não significa necessariamente que o Reino Unido não negociará mais” com Bruxelas, apontam os analistas da XTB.

Ler mais

Recomendadas

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Bolsa de São Paulo cai 4,25% com novas restrições na Europa face à pandemia

A bolsa paulista registou assim a sua quarta queda consecutiva, enquanto o dólar norte-americano continua a subir e hoje valorizou 1,31%, fechando a sua cotação em 5,75 reais (0,85 cêntimos de euro) para compra e venda.

Wall Street fecha em queda acentuada e Dow atinge o valor mais baixo desde julho

As ações foram castigadas pela 2.ª vaga da Covid-19. A crescente pandemia e o fracasso de Washington em alcançar um acordo em torno de um novo estímulo fiscal antes das eleições de 3 de novembro levaram todos os três índices de ações a fecharem em queda de mais de 3%. O petróleo também sofreu uma queda significativa.
Comentários