Bolsa portuguesa acompanha Europa em queda na véspera da assinatura da primeira fase do acordo comercial entre EUA e China

Na bolsa portuguesa, dez empresas cotadas desvalorizam, seis desvalorizam e duas negoceiam sem variação.

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,05%, para 5.257,33 pontos, em linha com as principais congéneres europeias esta terça-feira, 14 de janeiro. Depois de na sessão de sexta-feira, os índices de Wall Street terem atingido novos máximos históricos, com exceção do Dow Jones, os investidores aguardam a assinatura da primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China, prevista para quinta-feira.

Da China chegam bons sinais relativos a uma das maiores economias do mundo: o saldo da balança comercial chinesa melhorou dos 37,62 mil milhões de dólares para os 46,79 mil milhões de dólares em dezembro. Em termos homólogos, houve um aumento de 16,3% das importações e de 7,6% das exportações – ambos os indicadores acima das expectativas.

Na bolsa portuguesa, dez empresas cotadas desvalorizam, seis desvalorizam e duas negoceiam sem variação.

Os títulos das papeleiras Altri (-0,34%) e Semapa (-0,30%), do BCP (-0,59%), da Galp (-0,55%) e da Mota-Engil (-1,45%) penalizam o PSI 20.

Entre as que mais penalizam a bolsa portuguesa, destaque para a Altri, que informou o mercado que o administrador Pedro Miguel Matos Borges de Oliveira adquiriu cerca de 252 mil ações, entre os dias 8 e 13 de janeiro, representativas de 0,12% do capital social e dos direitos de votos. O administrador executivo da Altri tem agora uma posição qualificada de 8,77% do capital social da empresa. As ações foram adquiridas a um preço médio de 5,747 euros.

Em terreno positivo, destaque para os CTT e para a EDP. A operadora postal comunicou à COmissão do Mercado de Valores Mobiliários que o Norges Bank, que gere o maior fundo soberano do mundo, passou a deter uma participação de 4,05% da empresa liderada por João Bento. Antes, a posição do Norges Bank era de 3,89%. Os CTT avançam 0,49%, apra 3,26 euros.

Já a EDP soma 0,41%, para 3,90 euros, depois de ter anunciado o preço de obrigações verde‘. Na segunda-feira, a empresa liderada por António Mexia fixou o preço de uma emissão de divida subordinada no montante de 750 milhões com vencimento em julho de 2080. A nova obrigação terá um cupão de 1,7% aplicável até à primeira data de subordinação da dívida (a ocorrer em 5 anos e 6 meses após emissão). As receitas líquidas da obrigação serão usadas para financiar ou refinanciar o portfólio de projetos “green” elegíveis do grupo EDP.

 

Ler mais

Recomendadas

IGCP emite 949 milhões de euros em operação de troca para alongar prazos da dívida até 2029

Na primeira operação de troca de dívida deste ano, a instituição presidida por Cristina Casalinho adiou em oito anos o reembolso de Obrigações do Tesouro que venciam em 2021.

BCP e papeleiras impulsionam PSI 20

Na bolsa portuguesa, catorze empresas cotadas valorizam, três desvalorizam e uma negoceia sem variação.

Bruno Fernandes: CMVM suspende ações do Sporting na bolsa de Lisboa

A suspensão acontece numa altura em que se espera que o Sporting feche hoje a venda de Bruno Fernandes para o Manchester United. O negócio está avaliado em 55 milhões de euros, mais 25 milhões dependendo do cumprimento de metas.
Comentários