Bolsa portuguesa contraria Europa. Galp e Jerónimo Martins pressionam PSI 20

PSI 20 cai 0,15%, para 5.084,11 pontos, contrariando as principais congéneres europeias.

O principal índice bolsista português (PSI 20) iniciou a sessão desta quinta-feira a negociar no vermelho, prolongando as perdas da sessão de quarta-feira. O PSI 20 cai 0,15%, para 5.084,11 pontos, contrariando as principais congéneres europeias.

Entre as principais praças europeias, o alemão DAX valoriza 0,27%, o britânico FTSE ganha 0,14%, o espanhol IBAX avança 1,01%. Em contraciclo encontra-se o francês CAC (-0,06%).

Na bolsa portuguesa, a Jerónimo Martins, a Galp Energia e a Pharol lideram as perdas. o grupo retalhista perde 1,35%, para 14,57 euros, enquanto a petrolífera que vai ser liderada por Andy Brown a partir de fevereiro, cai 1,04% para 9,16 euros. A Pharol desvaloriza 1,16%, para 0,13 euros.

Entre estas destaca-se a Galp, que prolonga as perdas da sessão de quarta-feira depois da notícia da mudança de presidente executivo. Carlos Gomes da Silva vai deixar a presidência da petrolífera Galp, segundo anunciou a empresa na tarde de terça-feira. O gestor esteve menos de seis anos no cargo, depois de assumir a liderança em abril de 2015. Gomes da Silva, 53 anos, era membro do conselho de administração da Galp desde 2007. Para o seu lugar avança Andy Brown, depois do dia 19 de fevereiro.

Refira-se, ainda, que a Galp negoceia hoje em contraciclo com o mercado petrolífero. O Brent avança 0,30%, para 56,24 dólares, e o WTI valoriza 0,51%, para 53,17 dólares.

A pressionar a bolsa portuguesa destacam-se as papeleiras Semapa (-0,75%) e Altri (-0,48%) e, bem como o BCP (-0,45%).

No mercado cambial, o euro deprecia 0,09% face ao dólar, para 1,21 dólares. Já a libra valoriza 0,19% na relação com a divisa norte-americana, para 1,36 dólares. E a moeda da zona euro desvaloriza 0,23 perante a libra, para 0,88 libras.

Ler mais

Recomendadas

Venda de ações reforça noção que a CTG vê a EDP como investimento financeiro, diz o BPI

A estatal chinesa lançou uma OPA sobre a totalidade da EDP em maio de 2018, mas desistiu após a alteração dos estatutos para acabar com o limite de votos de 25% por acionista ter sido chumbada. Desde essa altura, vendeu 1,8% em fevereiro de 2020, mas reforçou no aumento de capital em agosto.

‘Luanda Leaks’. CMVM fez seis comunicações à PJ e não descarta possibilidade de mais

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Gabriela Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

Eficácia, eficiência, proximidade, relevância: as metas da CMVM para 2021

A instituição liderada por Gabriela Figueiredo Dias estabeleceu quatro prioridades e quatro objetivos para 2021, um ano que apresenta “um contexto social, económico e financeiro adverso e marcado por elevada incerteza”.
Comentários