Bolsas de estudo para jovens que queiram ter impacto no mundo

Paper Wings junta empresas e instituições académicas para financiar o percurso dos estudantes no ensino superior e dar-lhes oportunidades profissionais para desenvolverem outras competências.

A ideia é simples, mas muito valiosa: juntar pessoas, startups e grandes empresas para financiar bolsas de estudo destinadas a jovens universitários. Para concretizá-la Verónica Orvalho, CEO da Didimo, acaba de lançar a iniciativa Paper Wings, que, além da startup que lidera, conta já com o envolvimento da Universidade do Porto, da sociedade de advogados Vieira de Almeida e do fundo Ideias Glaciares.

A expectativa da empreendedora é a de que o projeto ganhe asas, junte mais entidades e cresça em comunidades locais que apoiem os jovens e os acompanhem na sua formação. “A educação deve ser uma preocupação da sociedade no geral e uma responsabilidade de todos. O nosso objetivo é unir forças entre várias empresas e instituições académicas para dotar os jovens com os conhecimentos e competências que lhes permitam sonhar com um futuro próspero”, justifica.

Além de bolsas de estudo, que podem ir de três a cinco anos, a Paper Wing garante também programas de estágios aos participantes e programas de mentoria de forma a capacitar os jovens estudantes para o mercado de trabalho.

As candidaturas para a primeira bolsa de estudo financiada pela Didimo decorrem até 13 de setembro, podendo candidatar-se jovens que tenham completado o ensino secundário e queiram prosseguir o percurso académico em áreas como matemática, ciências da computação, engenharia ou física.

Ser bom aluno não é, no entanto, suficiente. A Paper Wings procura também “ideias que contribuam para a construção de um mundo certo, igualitário e justo”. Os interessados devem preencher o formulário disponível para o efeito, bem como escrever uma carta de motivação dirigida ao CEO de uma tecnológica, incluir um ‘pitch’ com a ideia que acreditam que terá um impacto positivo no mundo e uma biografia em que se projetem daqui a 15 anos.

Recomendadas

Mário Nogueira estranha nomeação de jurista para secretária de Estado da Educação

Inês Ramires substitui Susana Amador nesta mini-remodelação de secretários de Estado feita por António Costa. Com percurso na consultoria e assessoria em gabinetes ministeriais, foi anteriormente chefe de gabinete do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Governo “não adotou medidas suficientes” nas escolas, acusa CGTP

A maior central sindical do país, diz em comunicado que “não deixará de responsabilizar o Governo, na medida em que isso se justificar – pela forte possibilidade de ter de haver um recuo” no ensino presencial.

Notas dos exames secundário baixam na segunda fase. Economia A é exceção

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira, pelo Ministério da Educação, em quatro disciplinas a média foi negativa, com destaque para Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais, uma vez que em Português Língua Segunda e Latim, o número de alunos foi residual.
Comentários