Bolsonaro critica Noruega com vídeo da Dinamarca

“Vejam o assassinato de baleias patrocinado pela Noruega”, escreveu o presidente brasileiro nas redes sociais, mas a matança não aconteceu na Noruega.

Varela Notícias

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, não gostou que a Noruega retirasse o seu apoio financeiro ao Fundo Amazónia e isso resultou numa crítica contra o país nórdico no Twitter.

No entanto, as imagens colocadas no vídeo partilhado por Bolsonaro não pertencem à Noruega mas sim às Ilhas Faroé, que por sua vez é um território dependente da Dinamarca.

“Vejam o assassinato de baleias patrocinado pela Noruega”, escreveu o presidente brasileiro nas redes sociais, colocando um ‘link’ de um vídeo que mostra diversas baleias a serem assassinadas. O vídeo mostra os animais a serem mortos na praia, com a água num tom avermelhado.

As imagens ilustram uma tradicional caçada que ocorre nas Ilhas Faroé. Na Noruega a caça de baleias é permitida mas estas são caçadas de forma individual e com menos publicidade, sendo que estas são caçadas em mar aberto, a partir de um barco e utilizando um arpão.

Bolsonaro foi criticado nas redes sociais devido ao erro. Muitos comentários afirmam que a publicação do presidente do Brasil é uma “notícia falsa”, enquanto outro utilizador do Twitter responde que ficou “preocupado, sempre achei que geografia e logística eram especialidades das forças armadas, mas pelos vistos não se sabe a diferença entre Noruega e Dinamarca”, referindo-se ao papel militar de Bolsonaro.

Ola Elvestuen, ministro do Ambiente e Clima da Noruega, acusou o Brasil de “não querer parar com a desflorestação” e terminou a doação para o Fundo de Conservação da Floresta Amazónica. O presidente brasileiro reagiu com violência e assumiu que a Noruega é “o país que mata baleias lá em cima, no Polo Norte, que também explora petróleo”. “Não tem nada a dar exemplo para nós. Pegue no dinheiro e ajude a Angela Merkel a reflorestar a Alemanha”, afirmou o presidente.

A Noruega suspendeu o apoio ao Fundo da Floresta Amazónia na passada sexta-feira, depois de o governo de Bolsonaro ter bloqueado as operações. A decisão do país nórdico surge após a Alemanha ter também suspendido as doações. Até cancelar as doações, o país escandinavo era o maior financiador do fundo, com 93,8%.

Entre 2009 e 2018, o fundo recebeu mais de 771 milhões de euros em doações, sendo que a maior parte do dinheiro foi proveniente da Noruega. A Alemanha doou 5,7% e a Petrobras 0,5%.

A desflorestação na Amazónia disparou desde que Bolsonaro foi eleito para a presidência e os seus planos para explorar a região e ações para enfraquecer a proteção ambiental assustaram os ambientalistas mundiais. Um estudo confirmou que a tendência de crescimento da desflorestação na Amazónia, uma vez que em julho do presente ano, a desflorestação foi 66% superior em comparação com o ano anterior.

Ler mais
Relacionadas

Amazónia: Área superior ao Luxemburgo foi desflorestada sob mandato de Bolsonaro

Os madeireiros arrasaram uma área da floresta tropical brasileira maior do que o Luxemburgo desde que o presidente Jair Bolsonaro chegou ao poder, aumentando as tensões pela custódia da administração da floresta amazónica.

Devastação da Amazónia próxima do ponto sem retorno

Novos dados confirmam temores de que a política de Jair Bolsonaro incentiva a extração ilegal de madeira no Brasil, o que coloca cada vez mais em perigo o pulmão do planeta.
Recomendadas

Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019

O Fundo Ambiental foi criado em 2016, entrando em vigor em 2017, para apoiar políticas de desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento de compromissos nacionais e internacionais, relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos, à conservação da natureza e à biodiversidade.

Presidência da Eurorregião Alentejo-Algarve transita para a Andaluzia

O presidente Junta da Andaluzia, Juan Moreno, lidera agora a eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia – a designada EuroAAA -, defendendo que esta estrutura deve ter maior ambição na Europa. Já anunciou que quer albergar a próxima Cimeira Ibérica Espanha-Portugal

Conferência que começou como acidente quer mudar as cidades

“Depois de anunciarmos, alugámos um espaço onde cabiam 200 pessoas mas nunca pensámos encher. No fim, acabámos com mais de mil pessoas de mais de 30 países”, afirma o fundador do projeto.
Comentários