Bolsonaro: “Pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado com o vírus, não precisaria de me preocupar”

O Ministério da Saúde do Brasil recusou pronunciar-se sobre as palavras proferidas pelo presidente. No seu discurso, Jair Bolsonaro defendeu que não são necessárias medidas de quarentena e criticou os media.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro voltou a contrariar as autoridades de saúde e criticou as medidas de quarentena, sustentando que os meios de comunicação social estão a espalhar uma sensação de “pavor” entre os brasileiros.

Na televisão nacional, Bolsonaro criticou o pedido das autoridades de saúde, quando os especialistas pediram para os cidadãos se isolarem em casa para evitar a propagação do vírus, numa ação semelhante a diversos países do mundo.

O presidente brasileiro afirmou que, os meios de comunicação ao passarem o pedido de confinamento estão a disseminar a sensação de “pavor” entre as comunidades, voltando a referir que quem contrair o vírus sente apenas uma “gripe”.

Devido a estas declarações, o Ministério da Saúde do Brasil já informou que não se vai pronunciar sobre as palavras proferidas pelo presidente na rede de televisão nacional.

“O vírus chegou, está a ser enfrentado e brevemente passará”, sustentou o presidente, acrescentando que a “vida tem de continuar”. “Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos voltar à normalidade”, apontou Jair Bolsonaro.

“Algumas autoridades estatais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o encerramento de comércios e o confinamento em massa. O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o das pessoas acima dos 60 anos. Porquê fechar escolas?”, questionou o presidente brasileiro.

De acordo com Bolsonaro, são “raros os casos fatais de pessoas saudáveis com menos de 40 anos de idade”, sustentando que “90% não terão qualquer manifestação caso seja contaminado”.

“Devemos é ter em extrema preocupação não transmitir o vírus uns para os outros, em especial aos nossos queridos pais e avós, respeitando as orientações do Ministério da Saúde”, apontou.

O presidente do Brasil falou ainda do seu caso pessoal, revelando que “pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado com o vírus, não precisaria de me preocupar”, acrescentando que “nada sentiria ou seria, quanto muito, uma gripezinha ou um resfriado”.

Os meios de comunicação, por sua vez, foram em “contramão” às indicações, e estão a ser acusados de espalhar “a sensação de pavor”, tendo como base “o anúncio do grande número de vítimas em Itália”. “Um país com grande número de idosos e com o clima totalmente diferente do nosso”, disse Bolsonaro, explicando que Itália era “o cenário perfeito, potencializado pelos media, para que uma verdadeira histeria se espalhasse pelo nosso país”.

Ainda assim, Bolsonaro dá os parabéns à imprensa brasileira que “mudou o seu editorial”, onde “pedem calma e tranquilidade” aos cidadãos brasileiros. “Parabéns, imprensa brasileira. É essencial que o bom senso e o equilíbrio prevaleçam entre nós”.

Ler mais
Relacionadas

Covid-19. Traficantes do Rio de Janeiro impõem recolher obrigatório

“Atenção todos os moradores de Rio das Pedras, Muzema e Tijuquinha! Toque de recolher a partir de hoje 20 horas. Quem for visto na rua após este horário vai aprender a respeitar o próximo!”, revela uma das mensagens dos traficantes, divulgada pela imprensa brasileira.

Bolsonaro vai revogar medidas que permitiam suspender contratos e salários no Brasil

Estas normas tinham sido anunciadas no domingo e entraram em vigor na segunda-feira. Horas mais tarde, Bolsonaro anunciou que, afinal, as medidas não iam avançar. Segundo uma sondagem, 68% dos inquiridos não gostaram de ver Bolsonaro a apertar a mão de apoiantes seus numa altura em que se suspeitava que poderia estar contaminado.

“Não acredito no colapso”. Bolsonaro descarta fragilidades no SNS brasileiro

Apesar do ritmo de propagação não mostrar sinais de abrandamento, nem no país, nem no mundo, Bolsonaro descarta o alerta dado pelo Ministério da Saúde que dá conta de um SNS sobrecarregado, pelo menos, até finais de abril.

Brasil decreta estado Estado de Calamidade Pública

O Senado federal aprovou esta sexta-feira, por unanimidade, o decreto que reconhece o Estado de Calamidade Pública, naquela que foi a primeira sessão não presencial, no Congresso.

Covid-19 causa 10 mil mortes em todo o mundo. Itália lidera número de vítimas mortais

O contágio do novo coronavírus já chegou a 180 países. De acordo com o mais recente balanço, existem 252.014 pessoas infetadas por todo o mundo contra 89.054 casos recuperados.
Recomendadas

Andebol, basquetebol, futsal, patinagem e voleibol regressam no dia 22 de agosto

As respetivas federações estiveram hoje reunidas, por videoconferência, com representantes da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto a “finalizar a análise ao Protocolo Orientador de Regresso aos Treinos e Competições – Covid-19”, que permita consumar as pretensões destas modalidades.

PSD quer reuniões quinzenais sobre situação epidemiológica no país

A bancada liderada por Rui Rio, que também é o presidente do partido, sublinha que é necessário “adotar, na nova fase que se avizinha, um novo modelo” que dê privilégio à “função parlamentar na defesa da saúde pública”.

Número de pessoas infetadas em Angola sobe para os 462

O secretário de Estado indicou que a percentagem de testes reativos é inferior ao que era previsto, sendo a maior parte pessoas que expressaram imunidade e “poucas pessoas que estão em fase ativa da doença”.
Comentários