Bolsonaro quer explorar Amazónia com os Estados Unidos

Em entrevista à emissora de rádio, o presidente contou que propôs a Donald Trump uma parceria para exploração da floresta brasileira. Bolsonaro promete ainda rever a desmarcação de terras indígenas.

O presidente do Brasil Jair Bolsonaro anunciou ter convidado o presidente dos Estados Unidos Donald Trump a participar num programa de desenvolvimento conjunto para a região amazónica brasileira, apesar de não fornecer detalhes.

Em entrevista à rádio “Jovem Pan”, Jair Bolsonaro voltou a criticar as desmarcações de reservas indígenas na Amazónia, que abrigam a maior floresta tropical do mundo, afirmando que estas tribos dificultam o desenvolvimento da região, que abriga cerca de 25 milhões de pessoas.

“Quando eu conheci Trump, eu disse-lhe, entre outras coisas, que eu quero abrir um caminho para eles explorarem a Amazónia em parceria”, disse Jair Bolsonaro na entrevista.

A visão do presidente brasileiro em relação à Amazónia contrasta fortemente com a da maioria das organizações ambientais no país e no mundo. Alguns grupos verdes, como a Greenpeace, defendem a proibição total de qualquer nova desflorestação na região, incluindo a parte do território que pode ser legalmente desflorestada de acordo com a legislação brasileira.

Na região amazónica, por exemplo, um proprietário de terra tem o direito de cortar árvores em 20% da área, com a obrigação de deixar 80% da vegetação intacta.

 

Ler mais
Recomendadas

Irão nega EUA e diz que não foi o autor do ataque às instalações de petróleo sauditas

O ataque já foi reivindicado pelo grupo Houthi, do Iémen e que é pró-Irão. A Guarda Revolucionária iraniana diz-se pronta para a guerra e que as bases norte-americanas e porta-aviões estão a dois mil quilómetros de distância.

Itália: novo governo permite desembarque de imigrantes

O novo governo instalado em Roma rompeu com as medidas rígidas contra a imigração promovidas por Matteo Salvini, antigo vice-primeiro-ministro e ministro do Interior.

Trump acena com acordo de defesa e ajuda Netanyahu

O presidente norte-americano tenta a impulsionar a candidatura de Benjamin Netanyahu a mais um mandato como primeiro-ministro israelita. Um possível acordo de defesa é o mote.
Comentários