Boris Johnson pede à França e Alemanha para mudarem posição face ao Brexit

O primeiro-ministro britânico acredita que as reuniões desta semana com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente francês, Emmanuel Macron, servirão para que os líderes dos dois países optem favoravelmente por uma saída da União Europeia com acordo.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pediu esta segunda-feira à França e à Alemanha para mudarem a sua posição sobre o Brexit e negociarem um novo acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), salientando, contudo, que o país está pronto para sair da comunidade única sem acordo, relata a agência “Reuters“.

“Os nossos amigos e parceiros do outro lado do canal estão relutantes em mudar de posição. Tudo bem. Estou confiante de que eles o farão”, referiu Boris Johnson à imprensa em Truro, no sudoeste da Inglaterra.

O Reino Unido tem menos de 74 dias para resolver uma crise de três anos que coloca o país em rota de colisão com a União Europeia. “Estaremos prontos para sair a 31 de outubro, com ou acordo ou não”, afirmou Boris Johnson.

Questionado especificamente sobre as reuniões agendadas para esta semana com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente francês, Emmanuel Macron, o líder britânico acredita esperar que “eles [Alemanha e França] vejam isso como um compromisso”.

Boris Johnson tomou posse no mês passado depois da sua antecessora, Theresa May, falhar três vezes a tentativa do parlamento em aprovar o acordo de saída que ela havia negociado com a União Europeia. Na sua primeira viagem ao estrangeiro como primeiro-ministro, Boris Johnson vai encontrar-se com Angela Merkel em Berlim na quarta-feira e Emmanuel Macron em Paris na quinta-feira.

A Comissão Europeia, que lidera as negociações em nome da França, Alemanha e outros membros da UE, disse que está pronta para um Brexit sem compromisso e que a Grã-Bretanha será a mais prejudicada neste cenário. No domingo, Merkel disse que a Alemanha estaria preparada independentemente do resultado.

Ministros do governo conservador de Johnson relativizaram a falta de avaliações no domingo, dizendo que o documento era antigo e não refletia o aumento do financiamento e do planeamento empreendidos pelo primeiro-ministro desde que assumiu o cargo. Além diso, acusam o Partido Trabalhista de oposição e outros que se opõem a um não-acordo do Brexit de minar as negociações com a UE, dizendo que os líderes europeus vão esperar para ver se o parlamento pode bloquear tal resultado antes de decidir se renegociou o acordo.

Ler mais
Relacionadas

Brexit sem acordo levará a escassez de combustível, comida e fármacos

O documento divulgado pelo “Sunday Times” estima também que até 85% dos camiões que atravessam o Canal da Mancha “podem não estar preparados” para as formalidades das alfândegas francesas, o que provocaria longas filas que podem prolongar-se por dias.

Deputados britânicos pedem que primeiro-ministro convoque imediatamente parlamento

As férias de verão do parlamento terminam normalmente a 3 de setembro, mas os autores da carta, todos eles opositores do Brexit, defendem que os parlamentares devem estar reunidos em permanência até 31 de outubro, data em que o Reino Unido deve sair da União Europeia.

PremiumO ensurdecedor silêncio de Boris Johnson com Bruxelas

O novo primeiro-ministro britânico mudou radicalmente a gestão do Brexit: é aos britânicos que cabe gerir a sua própria saída. Se for sem acordo, tanto pior. Resta saber para quem.
Recomendadas

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.

Primeiro-ministro mentiu à Rainha sobre suspensão do Parlamento? Boris Johnson diz “que não”

Depois do tribunal da Escócia ter acusado o primeiro-ministro de enganar a Rainha Isabel II de um“propósito impróprio de impedir o Parlamento”, Boris Johnson vem agora negar as acusações afirmando que o tribunal do Reino Unido está do seu lado.

Governo britânico com cenário catastrófico de Brexit sem acordo: falta de comida e medicamentos, aumento dos preços da luz, Gibraltar bloqueado

Falta de comida e medicamentos, aumento significativo dos preços, bloqueio de travessias no Canal da Mancha e protestos são algumas das previsões de “pior cenário possível” para um Brexit sem acordo.
Comentários