BPI, CaixaBI, ING, Santander e Societe General lideraram emissão da NOS

A NOS foi ao mercado emitir 300 milhões de euros em dívida a cinco anos. A operadora pagou 1,175%, abaixo do inicialmente previsto (1,38%), devido à forte procura.

Presidente executivo da Nos, Miguel Almeida | Foto de Cristina Bernardo

A NOS foi ao mercado emitir 300 milhões de euros em dívida a cinco anos. A operadora pagou 1,175%, abaixo do inicialmente previsto (1,38%), devido à forte procura.

Segundo a Bloomberg o “spread” da emissão arrancou nos 95 pontos base, acima da taxa mid swap do euro a cinco anos mas baixou para 75 pontos base. A procura atingiu quase quatro vezes a oferta.  Os investidores deram ordens para comprar mais de 1,15 mil milhões de euros.

Nesta transação atuaram como Joint Lead Managers / Active Bookrunners o CaixaBank/BPI, CaixaBI, ING, Santander and SG CIB (B&D) – Societe Generale Corporate & Investment Banking (SG CIB) – e como Passive Bookrunner o BNP Paribas.

“A NOS acordou os termos de uma emissão de obrigações, as quais serão admitidas
à negociação no mercado regulamentado Luxembourg Stock Exchange, no montante de 300 milhões de euros, com um prazo de vencimento de 5 anos e com uma taxa de cupão fixa anual de 1,125%, correspondente a mid swap rate a 5 anos, acrescida de spread de 0,75%, e com liquidação a 2 de maio de 2018”, lê-se no comunicado.

A operadora explicou que esta emissão destina-se a refinanciar divida existente e financiamento global da atividade, e “representa mais um importante passo na concretização da estratégia de financiamento da NOS, contribuindo para a diversificação das fontes e instrumentos de financiamento, através do acesso ao mercado de capitais de dívida; para a extensão da maturidade média da dívida, e para a redução adicional do custo médio da dívida”.

A empresa liderada por Miguel Almeida “congratula-se com a elevada procura registada nesta emissão, de cerca de 2.000 milhões de euros, bem como com a qualidade dos investidores institucionais que participaram na operação, como resultado da qualidade de crédito da NOS, recentemente evidenciada pela notação de investment grade atribuída pela Standard & Poor´s (rating de crédito de longo prazo de BBB-) e pela Fitch (rating de crédito de longo prazo de BBB)”.

Ler mais
Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários