Branqueamento de capitais em debate esta quinta-feira

O Observatório Português de Compliance e Regulatório (OPCR) promove esta quinta-feira, 23 de maio, a terceira Conferência Internacional sobre Prevenção e Deteção do Branqueamento, numa iniciativa que conta com o apoio do Jornal Económico, como ‘media partner’. Ana Gomes será uma das oradoras.

EP2018

A conferência, que terá lugar esta quinta-feira no auditório da Fundação Gulbenkian, abordará a prevenção do branqueamento nas suas diferentes vertentes, contando com a participação de especialistas internacionais, bem como de profissionais das áreas de compliance e regulatório das mais diversas indústrias e organizações, participantes no sistema preventivo deste fenómeno com forte impacto económico, social e político.

Os dois keynote speakers serão Carlos Lobo (partner da EY, que falará sobre a fraude fiscal como crime subjacente) e a eurodeputada Ana Gomes (na foto), que fará uma apresentação sobre o papel da União Europeia no combate ao branqueamento de capitais.

Segue-se uma mesa redonda sobre modelos de risco de branqueamento de capitais, que contará com as participações de António Félix (responsável pela área de sistema e modelos analíticos de compliance do BCP), Natasha Revez (compliance officer da Tranquilidade), Pedro Dias Vicente (diretor de compliance da EDP) e Ricardo Sousa (CEO da Century 21). O moderador deste painel será João Raposo, diretor do departamento de ação sancionatória do Banco de Portugal.

A abertura da sessão estará a cargo de Miguel Trindade Rocha (diretor executivo do OPCR), José Costa Pinto (vogal da direção do OPCR) e Filipe Alves (diretor do Jornal Económico).

Recomendadas

PremiumSérgio Gaio: “Empresas devem preocupar-se em entender os próprios dados”

Sérgio Gaio, ‘associate director’ da Accenture Technology, defende que a tendência no sentido de bens e serviços cada vez mais personalizados pode ser positiva sobretudo para os setores da indústria.

Fintechs com “misto de sensações” sobre acesso a contas bancárias

Os novos operadores da área financeira consideram que os bancos devem ir além das obrigações da diretiva dos pagamentos.

RGPD: Aplicação prática apenas nas grandes empresas?

Será muito mais benéfico para uma Google infringir o diploma europeu, pagar a coima e continuar com receitas bilionárias do que para uma startup, que se está lançar no mercado e se, por acaso, o violar o regulamento pode ir à falência.
Comentários