Brasil e os passos atrás

A credibilidade do governo está indissociavelmente caucionada pela figura do ministro da Economia, Paulo Guedes. A sua saída provocaria, provavelmente, um novo êxodo de investidores estrangeiros.

A demissão do ministro Sérgio Moro provocou a queda do real para um novo mínimo histórico e muito desinteresse pelos ativos brasileiros. Fala-se da possibilidade de impeachment, mas o ângulo político é apenas o motivo mais recente para a depreciação da moeda, que se intensificou desde meados de fevereiro.

No início do ano as perspetivas até eram positivas. A economia brasileira parecia estar a retomar a trajetória de crescimento, o crédito estava em alta e as taxas de juro em mínimos, com a inflação controlada. Os mercados estavam agradados com as reformas económicas em curso, a melhoria das contas públicas e a perspetiva de privatizações em 2020.

No entanto, a pandemia e a queda dos preços do petróleo alteraram o contexto. A diminuição das exportações e o pânico nos mercados diminuíram a atratividade do país e o plano de privatizações foi inviabilizado. De previsões de crescimento de 2%, já se fala em contração económica de 5,5%. Entretanto, o vírus chegou ao Brasil e a forma despreocupada como Bolsonaro o encarou está a ter impacto, tendo provocado a demissão do ministro da saúde num momento desaconselhável.

Internacionalmente, a credibilidade do governo está indissociavelmente caucionada pela figura do ministro da Economia, Paulo Guedes. A sua saída provocaria, provavelmente, um novo êxodo de investidores estrangeiros.

Infelizmente, continuamente dividido entre a esquerda e a direita, o Brasil teima em não dar passos em frente.

Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

PSI-20 fecha em alta com subida de 6% da Mota Engil. Europa com ganhos acima de 2%

A bolsa portuguesa subiu abaixo dos seus pares europeus. No PSI-20 a Mota-Engil destaca-se pela subida de mais de 6%. Na Europa, a Lufthansa e a Bayer brilharam com subidas de mais de 7%. A Alemanha o destaque vai para a economia que foi arrastada pela queda no consumo privado do 1.º trimestre de 2020.

Guerra comercial não assusta os touros de Wall Street

Enquanto as palavras vão e vêm, o certo é que Wall Street valorizou mais de 3% nos últimos cinco dias.
Comentários