Brexit e ‘guerra’ comercial prejudicam economia alemã

A economia germânica registou um superavit comercial de 109,9 mil milhões de euros no segundo trimestre mas este valor representa uma quebra de 10% face ao mesmo período de 2018.

Os dados referentes à produção industrial e às exportações podem fazer mossa na economia alemã, fruto da ‘guerra’ comercial entre EUA e China e um Brexit que parece encaminhar-se para uma saída sem acordo do Reino Unido da União Europeia.

Na próxima quarta-feira, com a divulgação da taxa de crescimento do PIB alemão referente ao segundo trimestre do ano, deverá chegar a confirmação dos piores prognósticos para aquela que é a maior economia da União Europeia. De salientar que todas as previsões apontam para valores negativos.

Os principais indicadores divulgados nas últimas semanas apontam no mesmo sentido, reforçando assim os principais bloqueios que a maior economia da UE pode sofrer nos próximos meses.

Na passada sexta-feira, o gabinete de estatísticas alemão (Destatis) informou que as exportações alemãs caíram cerca de 8% em junho face a período homólogo, ou seja, a maior queda em três anos.

Mesmo assim, as vendas para o exterior na primeira metade do ano mostraram alguma robustez. A economia germânica registou um superavit comercial de 109,9 mil milhões de euros no segundo trimestre mas este valor representa uma quebra de 10% face ao mesmo período de 2018.

Quanto aos dados da produção industrial em junho, que foram publicados na semana passada, é possível verificar que a contração face a período homólogo foi de 5,2%, a maior da década. Note-se que a produção industrial é um setor fundamental para a economia alemã já que vale 20% do PIB germânico.

Relacionadas

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Brexit: Economia britânica recua pela primeira vez desde 2012

Chefe do governo britânico há menos de um mês, Boris Johnson promete a conclusão do Brexit com ou sem acordo com a União Europeia. “Bloomberg” diz que recuo do PIB impulsiona governo britânico na prossecução de uma saída eminente do Reino Unido do clube de Bruxelas. O prazo para o Brexit é 31 de outubro.
Recomendadas

EUA: Powell reitera novamente apoio da Fed à retoma e aponta a “teste mais exigente” no capítulo laboral

O presidente da Fed voltou a reforçar o compromisso do organismo com o apoio à retoma nos EUA e, apesar de vários governadores do Comité da autoridade monetária verem já progresso suficiente no mercado laboral, esclareceu que pretende ver a economia passar “um teste mais exigente” neste capítulo.

Fed revê crescimento dos EUA em baixa e inflação em alta para este ano

A Reserva Federal estima que o crescimento real do PIB norte-americano seja menor do que os 7% estimados em junho, apontando agora para 5,6% em 2021, mas prevê que 2022 traga uma evolução do PIB mais favorável do que o calculado há três meses.

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.
Comentários