Brexit: estudantes portugueses podem ter que pagar mais para estudar no Reino Unido

Caso esta medida seja aprovada, os estudantes europeus passam a pagar o mesmo valor de propinas que é atualmente exigido a estudantes que venham de países fora do espaço comunitário.

Os estudantes europeus que decidirem estudar nas instituições britânicas a partir de 2021 correm o risco de ter de pagar propinas mais altas que os estudantes nascidos no Reino Unido.

A notícia é avançada pelo “Financial Times”, que explica que o Executivo de Theresa May está a pensar acabar com a paridade que permite que os alunos da União Europeia paguem as mesmas propinas que os alunos britânicos. A partir de 2021 os alunos estrangeiros poderão deixar de beneficiar do financiamento estatal.

No entanto, de acordo com o “The Guardian” essas taxas poderão ser impostas um ano mais cedo. O Departamento de Educação (DfE) está a preparar taxas mais elevadas para os novos estudantes da UE a partir de 2020.

Segundo o jornal financeiro, esta proposta está a ser avançada pelo responsável pela pasta da Educação, Damien Hinds, que defende o fim desta paridade a partir do ano letivo de 2021-2022, independentemente do resultado do processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Caso esta medida seja aprovada, os estudantes europeus passam a pagar o mesmo valor de propinas que é atualmente exigido a estudantes que venham de países fora do espaço comunitário, montantes considerados significativamente superiores aos cobrados aos cidadãos britânicos e até agora aos estudantes europeus.

Damien Hinds já esclareceu mesmo que os estudantes europeus que estão atualmente inscritos nas universidades em causa não seriam abrangidos por estas mudanças, que afetariam apenas aqueles que decidissem começar os seus estudos a partir de 2021-2022.

Ler mais
Relacionadas

DBRS: Brexit pode vir a ser novamente adiado ou até mesmo cancelado

A agência de notação financeira canadiana prevê que a economia de terras de Sua Majestade continue a crescer, mas a um ritmo mais lento.

Brexit: conversações entre Conservadores e Trabalhistas bloqueadas pelos… EUA

Em causa está a vontade de desregulamentação da parte dos Conservadores. Um acordo comercial entre o Reino Unido e os Estados Unidos não mexeria diretamente com o Brexit, mas daria uma perceção diferente do futuro.

Juncker quer reunir Europa para decidir sobre Brexit, mas sem a presença do Reino Unido

“Não há Estados-membros de segunda categoria, mas se um Estado-membro decide deixar a UE, os 27 outros devem ter o direito de se reunir separadamente sobre as questões futuras”, defende o líder da Comissão Europeia.
Recomendadas

Conheça os países mais baratos para beber cerveja. Portugal está na lista

Num relatório publicado esta semana, o Deutsche Bank revelou os resultados de uma análise aos preços das imperiais nas capitais e principais cidades de dezenas de países em todo o mundo.

Obrigatório a partir de 2022: carros novos vão ter sistema que ‘bloqueia’ condutores alcoolizados

A União Europeia já estabeleceu o calendário para a implementação progressiva de sistemas de segurança obrigatórios nos novos modelos de automóveis. Já em 2022, por exemplo, os testes do balão ao álcool vão acabar, porque os veículos vão passar a ter um alcoolímetro incorporado. Mas há mais novidades.

De Edimburgo a São Francisco: uma viagem pelas 25 cidades com os salários mais altos do mundo

De acordo com o relatório “Mapping the world’s prices”, do Deutsche Bank, estas são as 25 cidades com os salários mais elevados do mundo.
Comentários