Brexit: Marks & Spencer obrigada a fechar onze lojas em Paris

A rede de retalho britânica encontra muitas dificuldades na fronteira para o transporte dos seus produtos alimentares e decidiu que era tempo de deixar a capital de França.

Vinte anos após ter anunciado a sua primeira saída do território francês e e dez anos depois de ter regressado, a rede de retalho britânica Marks & Spenser anunciou esta quinta-feira, 16 de setembro, que vai fechar a maior parte das suas lojas parisienses. Em causa estão as dificuldades causadas pelo Brexit e pela nova fronteira entre os 27 e o Reino Unido – nomeadamente no que tem a ver com a extensa lista de produtos alimentares que são vendidos nas lojas do grupo britânico.

As onze lojas da Marks & Spencer que vão fechar são administradas pelo grupo SFH em regime de franquia e desaparecerão “até o final de 2021”, segundo consta de um comunicado do grupo. Restarão assim as nove lojas geridas pela Lagardère Travel Retail (em aeroportos e estações de caminho de ferro) e o comércio online de moda e produtos para o lar, que também permanecerá ativo em França.

Desde que o Reino Unido saiu da União Europeia que o grupo inglês passava por grandes dificuldades para manter as prateleiras cheias dos seus produtos frescos: cruzar a fronteira tornou-se particularmente complicado, não só em termos burocráticos e de aumento da despesa, mas principalmente porque as demoras passaram a impedir que a frescura se mantivesse durante a viagem.

É que a indústria alimentar britânica tem de provar que aplica as normas sanitárias europeias, o que aumenta o peso da tarefa de exportar cada produto fresco. “As complexidades logísticas desde a saída do Reino Unido da União Europeia tornam quase impossível fazer chegar aos clientes produtos frescos e refrigerados de alto padrão” , disse Paul Friston, diretor internacional da Marks & Spencer, citado pelos jornais franceses.

Recomendadas

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.

PCP: “Não tem havido grande evolução” nas negociações com o Governo sobre o OE2022

Segundo Jerónimo de Sousa, o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa a importância de o orçamento do próximo ano ter incluídas medidas essenciais, nomeadamente de valorização dos salários, das reformas e das pensões, reforço da rede de creches e dos serviços públicos.
Comentários