Brexit, uma história interminável

O mercado está agora numa fase de algum risco acrescido, que a época de resultados não tem conseguido amenizar, até porque as empresas não fazem milagres e o ambiente económico é hoje bem mais desafiante do que há um ano

Depois de uma semana em que Wall Street terminou a sexta-feira em baixa ligeira, mas ainda assim sem comprometer o amealhar de alguns ganhos no período de cinco dias de negociação, os investidores entram hoje ao serviço com mais um episódio da novela Brexit, que no final das contas não deu em nada, isto porque apesar de estarmos apenas a onze dias da data limite para a efectivação do Brexit, o primeiro ministro Boris Johson e a maioria dos deputados do parlamento inglês ainda andam entretidos com um jogo do gato e do rato, em que o primeiro tenta fazer as coisas à sua maneira, enquanto que os segundos depressa aprovam legislação para que Boris não levem a sua intenção de um Brexit a qualquer custo.

Os próximos dias certamente que trarão mais alguma adrenalina ao Footsie e à Libra inglesa, dada a imprevisibilidade do que poderá acontecer, até porque não é garantido que todos os 27 membros da União Europeia aprovem a extensão do prazo, caso este seja necessário, nem se sabe com alguma fiabilidade, quais as probabilidade de Boris Johnson conseguir aprovar legislação no Parlamento que lhe permitia efectivar a saída e evitar a extensão até 31 de Janeiro. Mas se da Europa o sentimento anda algo perdido nestes avanços e recuos, do outro lado do Atlântico as coisas não são muito diferentes, com a novela da guerra comercial a competir com o Brexit no número de capítulos sem qualquer consequência prática, mas que influenciam em parte o movimento dos índices.

Com Wall Street perto de máximos históricos e com dados económicos contraditórios, mas com uma ligeira tendência negativa, das duas maiores economias do mundo, o mercado está agora numa fase de algum risco acrescido, que a época de resultados não tem conseguido amenizar, até porque as empresas não fazem milagres e o ambiente económico é hoje bem mais desafiante do que há um ano, o que se tem reflectido nos lucros e receitas das empresas que já reportaram, com as surpresas positivas a serem de 2,6% acima do previsto, uma média que fica baixo dos 3 a 3,5% que se tem verificado nas earning seasons mais recentes, pelo que alguma cautela na hora de entrar em posições de longo prazo seja agora um sentimento visível no mercado.

Recomendadas

PremiumGoverno trava subida das taxas de supervisão em 2020 proposta pela CMVM

Em ano de prejuízos, a entidade reguladora vê a proposta de um novo modelo de financiamento congelada pelo Ministério das Finanças. São mais dois milhões de euros que ficam por receber.

PSI 20 fecha semana no ‘vermelho’ afetado pelo BCP e Galp

Praça lisboeta terminou a sessão a descer 0,87%, para 4.390,27 pontos nesta sexta-feira, seguindo a tendências das suas congéneres europeias.

Bolsa de Lisboa perde fôlego a meio da sessão e acompanha quedas da Europa

A penalizar a praça lisboeta estão títulos como o BCP, que perde 0,92%, NOS, que desvaloriza 1,64%, ou Mota-Engil, que cai 1,22%. A alemã Wirecard está a subir mais de 3% depois de a ‘Bloomberg’ avançar que Deutsche Bank está interessado na unidade financeira da empresa.
Comentários