Bruxelas dá dois meses a Lisboa para esclarecer lei de contratos públicos

A Comissão Europeia deu um prazo de dois meses para Portugal dar conta da conformidade da sua legislação nacional com as regras da União Europeia em matéria de contratos públicos e concessões.

A Comissão Europeia deu esta quinta-feira um prazo de dois meses para Portugal dar conta da conformidade da sua legislação nacional com as regras da União Europeia (UE) em matéria de contratos públicos e concessões.

Com o envio de uma carta de notificação adicional — a primeira foi remetida em 10 de outubro de 2019 –, o executivo comunitário solicita mais esclarecimentos sobre a legislação nacional, alterada em maio, nomeadamente sobre “o recuso à adjudicação direta de contratos, aos procedimentos acelerados, às preferências locais e regionais e à modificação dos contratos”, segundo um comunicado.

No quadro do pacote mensal de processos de infração hoje divulgado, o executivo comunitário dá dois meses a Portugal para esclarecer as dúvidas, sob pena de a Comissão Europeia avançar para a segunda fase do processo de infração, com o envio de um parecer fundamentado.

Recomendadas

“Eduardo Cabrita saiu sem honra nem dignidade. Pragmatismo de Costa chama-se eleições”, destaca Marques Mendes

“Cabrita sai porque há eleições daqui a dois meses e só sai por causa disso. O pragmatismo de António Costa chama-se eleições, se não houvesse eleições legislativas daqui a dois meses, Eduardo Cabrita continuaria no Governo”, realçou Marques Mendes no seu espaço de comentário no “Jornal da Noite” da SIC.

“Se quiser, será deputado do Chega”. André Ventura lança convite a Pedro Passos Coelho no Twitter

O líder do Chega realçou nessa publicação que tem conhecimento de que o antigo primeiro-ministro e ex-líder do PSD não terá gostado do desfecho das diretas do PSD e que “quem votou em Passos ou em Cavaco Silva sente-se órfão politicamente”.

Catarina Martins: “Há poucas coisas tão parecidas com a direita do que uma maioria absoluta do PS”

”Não há nada mais parecido do que uma maioria absoluta do PS do que a direita”, afirmou a líder do BE, referindo-se ao exemplo dos Açores, onde PSD, CDS-PP e PPM fizeram um acordo pós-eleitoral para formar Governo após as eleições regionais de 2020, pondo fim a mais de 20 anos de governos socialistas.
Comentários