Bruxelas propõe instrumento público-privado para apoiar solvência de empresas

“A ideia é ter financiamento privado, mas também prevendo que a comunidade, que todos nós, façamos parte do risco [associado ao investimento], para que possamos ter um instrumento que nos ajude a recuperar como um todo”, vinca Margrethe Vestager.

A Comissão Europeia vai propor, no âmbito do plano de recuperação económica pós-pandemia, a criação de um instrumento público-privado para apoiar solvência de “empresas saudáveis”, visando assegurar necessidades de recapitalização em países com menor capacidade orçamental.

“Vemos que alguns Estados-membros têm espaço orçamental suficiente para apoiar os seus negócios de acordo com as necessidades, mas outros não têm este espaço orçamental, então porque não nos ajudarmos uns aos outros? E isso pode acontecer através de financiamento público e privado para apoiar negócios saudáveis em Estados-membros que não estão tão bem posicionados como outros”, defende a vice-presidente executiva da Comissão Europeia Margrethe Vestager em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas.

Falando à Lusa um dia antes de o executivo comunitário apresentar as suas propostas para o Fundo de Recuperação da União Europeia (UE) após a crise gerada pela covid-19 e para o novo Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027, a responsável pela tutela da Concorrência explica que este novo instrumento, integrado no plano, permitirá “criar […] veículos para que o financiamento público faça parte do risco, de forma a fazer com que os investidores privados queiram juntar-se e apoiar os negócios que mais necessitam”.

“A ideia é ter financiamento privado, mas também prevendo que a comunidade, que todos nós, façamos parte do risco [associado ao investimento], para que possamos ter um instrumento que nos ajude a recuperar como um todo”, vinca Margrethe Vestager.

Frisando que “não será possível reconstruir a economia sem recorrer ao investimento privado”, a vice-presidente executiva da Comissão Europeia aponta que “a incerteza [em redor da pandemia] é tão grande que, por vezes é difícil para um fundo de pensões, para um fundo de capitais de risco ou para outros investidores” avançarem.

E é aqui que entra a parte pública deste instrumento de solvência incluído no plano de recuperação, acrescenta Margrethe Vestager, escusando-se porém a detalhar a dimensão financeira ou como vai funcionar, dada a apresentação de quarta-feira.

Já certo, segundo a responsável, é que “a proposta que será apresentada amanhã [quarta-feira] será bastante direcionada a tornar a economia mais ‘verde’ e mais digital”.

“Também vamos lançar este instrumento de solvência, […] que é importante, a nível estratégico, para garantir a recapitalização das empresas num determinado país e para permitir que a sua economia recupere”, adianta Margrethe Vestager.

A vice-presidente do executivo comunitário realça ainda que “esta será uma recuperação especial”, já que em causa estão “negócios que há alguns meses eram saudáveis e estavam a ser bem-sucedidos”.

O Fundo de Recuperação, por muitos classificado como um novo ‘Plano Marshall’ para a Europa, é considerado o grande instrumento da UE para ultrapassar a crise da covid-19, que, segundo estimativas da Comissão Europeia, provocará uma contração recorde de 7,7% do PIB da zona euro este ano e de 7,4% no conjunto da União.

Margrethe Vestager defende que este novo fundo deverá ter “dimensão e impacto para permitir avançar rapidamente”, ao mesmo tempo que se foca “não só em recuperar, mas também em reconstruir”.

Sem querer detalhar, a responsável argumenta que “uma mistura [entre subvenções e empréstimos] é boa”.

“Até porque acho que não será possível concordar em mais nada”, comenta, numa alusão à dificuldade das negociações que se avizinham no Conselho Europeu, onde estão representados os chefes de Governo e de Estado da UE.

“Penso que é importante que todos entrem nesta discussão com a vontade de encontrar um compromisso porque precisamos que isto avance rapidamente. Fechámos rapidamente as nossas economias e nunca tínhamos experienciado isto antes – já tínhamos tido abrandamentos [da economia], mas nunca tínhamos tido um bloqueio – e por isso é importante chegarmos rapidamente a acordo e, nesta questão, um compromisso com empréstimos e subvenções é o caminho a seguir”, adianta Margrethe Vestager à Lusa.

Ler mais
Relacionadas

Comissão Europeia admite que Portugal fica “em desvantagem” nas ajudas estatais

Dados fornecidos pela Comissão Europeia à Lusa revelam que, até ao momento, o executivo comunitário já deu ‘luz verde’ a um total de 136 decisões que aprovaram 175 medidas nacionais para ajudas estatais, solicitadas por Estados-membros e pelo Reino Unido (parceiro económico da região, embora já não integre a União Europeia).
Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários