Bruxelas quer ‘hub’ de educação digital para aumentar coordenação entre os 27

A comissária europeia da Educação e Juventude anunciou, esta sexta-feira, a apresentação, ainda este ano, de uma proposta concreta para estabelecer um ‘hub’ de educação digital”. Tem como objetivo permitir aos estados-membros trabalhar em conjunto no campo estratégico da educação e formação.

A Comissária da Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, Mariya Gabriel anunciou esta sexta-feira, 22 de janeiro, que ainda este ano vai haver uma “proposta concreta para estabelecer um ‘hub’ de educação digital”, que permitirá que os 27 estados-membros trabalhar em conjunto “neste campo estratégico que é a formação para a educação”.

Maria Gabriel falava na conferência de imprensa após a conferência informal de ministros da Educação da União Europeia, consagrado ao papel da educação e da formação no modelo social europeu, que inicialmente estava previsto prolongar-se por dois dias (quinta e sexta-feira), mas foi reduzida devido ao agravamento da situação epidemiológica na Europa.

A comissária europeia adiantou também que a Comissão vai propor, ainda este ano, “uma recomendação sobre ensino à distância”, integrada no plano de ação para a educação digital para o período de 2021 a 2027.

Na conferência de imprensa, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit, defendeu o investimento em equipamentos e formação de forma a mitigar as desigualdades entre as crianças da União. “Estamos numa sociedade digital e não devemos deixar parte dos nossos cidadãos, especialmente as crianças, fora desta sociedade digital”, afirmou.

As desigualdades têm sido evidenciadas pelo ensino à distância, adotado como recurso pelas escolas que foram obrigadas a suspender a atividade física no pico da crise pandémica, uma situação que está a voltar a repetir-se em alguns estados-membros, nomeadamente Portugal.

O comissário lembrou que “há muitas famílias pobres que não têm conexão à Internet”, mas que “no Pilar Social Europeu há um princípio sobre oportunidades iguais. Por isso, acrescentou, é essencial, “investir muito em equipamento e investir também ao nível das capacidades digitais das crianças, através das escolas, de modo a permitir que todas as crianças tenham as conexões certas”.

Na conferência de imprensa, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, revelou que o programa Erasmus + será apresentado antes do final do primeiro semestre e está direcionado para o reforço das redes europeias de instituições de ensino superior com consórcios de instituições europeias e a abertura a outros níveis de ensino formal e informal.

O Conselho informal de ministros da Educação da União Europeia foi presidido pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Ler mais
Recomendadas

Erasmus+: 26 mil milhões para apoiar mobilidade estudantil

Apresentado pela Presidência Portuguesa da União Europeia, o novo Erasmus+ quase duplica o orçamento anterior. Inclusão, digital e sustentabilidade são as novas áreas de aposta. Portugal quer triplicar o número de beneficiários do programa em 2021|27.

António Sampaio da Nóvoa: “É difícil identificar um património mais importante do que a língua portuguesa”

Comemora-se esta quarta-feira o Dia Mundial da Língua Portuguesa. António Sampaio da Nóvoa, embaixador de Portugal na UNESCO, grande impulsionador desta proclamação, destaca em entrevista ao Jornal Económico o valor único deste património.

Metade dos jovens portugueses não distingue opinião de facto na Internet, conclui estudo da OCDE

“Menos de metade dos jovens não distingue factos de opiniões. Antes, os jovens liam na enciclopédia e sabia-se que o que estava lá escrito era verdade. Agora procuram informação na internet” alertou o diretor da OCDE para a Educação, Andreas Schleider.
Comentários