Bruxelas quer mais supercomputadores e pede aos Estados-membros uma abordagem comum para implementar 5G

A Comissão Europeia propôs esta sexta-feira um novo regulamento sobre a supercomputação, com um orçamento de 8 mil milhões de euros, para reforçar as infraestruturas e a conectividade dos 27 países a redes de alta velocidade.

A Comissão Europeia tomou esta sexta-feira novas medidas de âmbito digital, desafiando os Estados-membros a reforçarem conectividade a redes de alta velocidade e a desenvolverem uma abordagem comum para implantação da rede móvel de quinta geração (5G).

Bruxelas quer os conceitos de “supercomputação” e “computação quântica” entrem na agenda dos 27 países para que o papel da Europa nestes campos seja reforçado, pelo que propôs um novo regulamento para capacitar as infraestruturas destas redes ultrarrápidas com um orçamento de 8 mil milhões de euros na próxima geração de supercomputadores – apoiado pelos programas Horizonte Europa, Europa Digital e Mecanismo Interligar a Europa.

O executivo comunitário acredita que estas ferramentas – desde a análise de megadados, inteligência artificial, tecnologias na cloud à cibersegurança – serão importantes na recuperação económica da União Europeia e quer, assim, auxiliar a investigação e a inovação nas tecnologias de vanguarda.

“Os supercomputadores já são utilizados para procurar terapias, reconhecer e prever a propagação da infeção e apoiar a tomada de decisões sobre medidas de confinamento. Os dados, em combinação com a inteligência artificial e os supercomputadores, são também um ativo importante na deteção dos padrões dos ecossistemas, ajudando a atenuar as alterações climáticas e a trabalhar em soluções para evitar catástrofes e combater as alterações climáticas”, afirma Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia.

A Comissão Europeia tem objetivos claros: ter supercomputadores capazes de realizar mais de um trilião (1018) de operações por segundo e computadores quânticos e computadores híbridos, que combinam elementos de computação quântica e clássica, capazes de realizar operações que nenhum supercomputador consegue executar atualmente, segundo a informação divulgada hoje pela instituição.~

“A manutenção na corrida tecnológica internacional é uma prioridade e a Europa possui tanto as competências como a vontade política para desempenhar um papel de liderança. O nosso objetivo é chegar rapidamente ao próximo nível de computação com os computadores à exaescala, mas também, acima de tudo, integrar os aceleradores quânticos para desenvolver máquinas híbridas e posicionar a Europa bastante cedo nesta tecnologia revolucionária”, garante o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton, em comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Claranet Portugal abre 25 vagas para equipa internacional

As 25 vagas estão distribuídas por três perfis de profissionais para um projeto em plataformas microsoft azure, cloud specialist, cloud architect e cloud consultant, sendo que o início das colaborações está previsto para o início de 2021.

“Nesta crise, a internet não é um luxo. É uma corda de salvação”, defende criador da ‘world wide web’

Num debate sobre o direito do acesso à internet promovido pelo Parlamento Europeu, o criador da internet defendeu o reconhecimento à escala global do acesso à internet como um direito humano. Para Berners-Lee, a pandemia evidencia a necessidade de criar esse direito.

Facebook reconhece erros na proibição de anúncios políticos

“Estamos a investigar anúncios que foram erroneamente suspensos, e perguntas de anunciantes que estão a ter dificuldades em ajustar as suas campanhas. Estamos a trabalhar para resolver estes problemas rapidamente”, escreveu terça-feira, no Twitter, um gestor de produtos publicitários do Facebook, Rob Leathern.
Comentários