Building the Future. As pessoas são o maior desafio, diz Siza Vieira

O ministro da Economia revelou esta quarta-feira que o Governo vai aprovar em breve a estratégia de transformação digital para o país.

O Ministério de Pedro Siza Vieira está a preparar a estratégia de transformação digital para o país. A estratégia assenta em três pilares: pessoas, empresas e Administração pública, mas é nas pessoas que está o maior desafio. “Se as pessoas não estiverem mobilizadas não conseguiremos”, alertou o ministro de Estado, Economia e Transformação Digital.

O ministro, que falava no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, no âmbito da iniciativa Building the Future da Microsoft, lembrou que Portugal está bem classificado no Índice de Inovação, sobretudo das PME e soma boas classificações nas infraestruturas e nos serviços digitais, mas perde na literacia digital, entre outros. Por exemplo, 23% da população nunca utilizou internet e uma percentagem muito superior a essa utiliza-a apenas esporadicamente.

Se Portugal quer aproveitar a transformação digital como motor de desenvolvimento inclusivo, aproveitar as novas tecnologias para progredir como sociedade, o esforço tem de ser muito superior, afirmou Pedro Siza Vieira.

Na área da educação, por exemplo, são vários os desafios. “Há que transformar a escola e levar a tecnologia para a sala de aula e para os métodos de trabalho”, salientou.

No ensino superior, salientou, são já cerca de 50% os jovens na casa dos 20 anos que o frequentam, mas de fora fica a outra metade e uma economia digital não se cria prescindindo de metade das pessoas. O caminho chama-se requalificação. Nas tecnologias de informação e comunicação, a meta de Portugal aponta a ter 8% da força de trabalho nesta área em 2030. Como? “Temos que trabalhar com as empresas no sentido de as requalificar”, adianta o ministro.

Nesse sentido, Pedro Siza Vieira deixa algumas pistas: Tem que passar a ser possível que uma pessoa possa deixar o emprego atual e receber apoio para se requalificar e a seguir para um emprego mais qualificado e melhor remunerado.

“Só, assim, construiremos uma sociedade desenvolvida, inclusiva que ofereça a todos a oportunidade de encontrar um emprego à altura das suas ambições. A transformação digital é o meio para a acelerar isso”. Caso contrário, Portugal ficará no mundo como aquela aldeia recôndita de Trás-os-Montes onde os netos veem passar férias, i.e., fora do primeiro mundo.

Ler mais

Recomendadas

Endividamento da economia aumentou 3,1 mil milhões de euros em 2019

O endividamento da economia aumentou em termos nominais no final de 2019, face a igual período de 2018. No entanto, em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 352,1% para 341,2%.

Dívida pública caiu para 118,2% em 2019, abaixo das estimativas do Governo

A dívida pública na ótica de Maastricht prossegue uma trajetória descendente, já que diminuiu face aos 122,2%, registados em 2018. Fixou-se ainda abaixo dos 118,9% esperados pelo Governo.

Isabel dos Santos impugna arresto de contas bancárias em Portugal

A empresária diz que não consegue pagar salários, ao fisco, Segurança Social e a fornecedores. Adianta ainda que as empresas nas quais detém participação maioritária têm empréstimos por reembolsar, no valor de 180 milhões de euros, tendo já reembolsado 391 milhões.
Comentários