“Building the Future”. Negócios e tecnologia precisam andar de “mão dada”

Responsáveis da Agência para a Modernização Administrativa, Farfetch, Moey e NOS explicam como administração pública e as empresas se preparam para interagir com as novas tecnologias.

“É necessário que a sociedade tenha segurança nos serviços digitais”. Foi desta forma que Sara Carrasqueiro, da Agência para a Modernização Administrativa (AMA), iniciou hoje o debate “Building The Blur Between Industries” – no âmbito do evento “Building The Future”, o maior evento de transformação digital em Portugal, promovido pela Microsoft, e que decorre esta manhã no pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa. “Temos de preparar a administração pública para as tecnologias emergentes e desenvolvido boas práticas em prol da literacia digital”, acrescentou a responsável da AMA.

Já Luís Carvalho, responsável da área de arquitetura da Farfetch, explicou a empresa tem ambições globais e a aposta na China já é uma realidade. “Temos as nossas aplicações a correr simultâneamente, e em active -active, em vários datacenters. Queremos fornecer algo que poucas empresas europeias e americanas conseguem”, afirmou. Luís Carvalho deixo ainda alguns conselhos para que o mundo dos negócios ande de “mãos dadas” com a tecnologia. “Ouçam os clientes, façam balanço entre ideias novas e originais, não construam tecnologia por tecnologia e tenham as pessoas certas na equipa”.

Ricardo Madeira, responsável pelo projeto de lançamento da aplicação Moey explicou como um banco tradicional (Crédito Agrícola) olha para a banca do futuro. “Fomos ver o que os clientes queriam. Na Moey 90% dos recursos estão aplicados à tecnologia. O banco tem agora uma espécie de incubadora para testar novas ideias”.

Para Manuel Ramalho Eanes, administrador da NOS, a revolução do 5G prepara-se para mudar as nossas vidas. “O 5G traz mais banda, permite ligar mais objetos por célula e que o numero de objetos passível de ser sensorizado aumenta drasticamente. Os humanos vão poder executar tarefas com precisão robótica em várias indústrias”.

O “Building The Future”, que irá decorrer entre hoje e amanhã, cruza tecnologia, transformação e liderança para potenciar pessoas e empresas e preparar o país para a transformação digital.

Recomendadas

CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.
Comentários