Premium‘Business angels’ alertam que OE não promove investimento

Entidades que representam estes investidores em Portugal apresentaram ao Governo várias propostas para estimular investimento em startups e PME.

Os business angels – investidores privados que fazem investimentos em empresas em início de atividade – portugueses apresentaram ao Governo um conjunto de propostas para estimular o investimento privado em startups e Pequenas e Médias Empresas (PME) e lamentam lamentam a “ausência” de medidas no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) a este respeito, revelaram ao Jornal Económico (JE) as entidades que os representam.

A Federação Nacional das Associações de Business Angels (FNABA) e a Associação Portuguesa de Business Angels (APBA) defendem que a proposta orçamental deveria contar com medidas que contribuíssem para a criação de emprego, para o aumento das exportações e para o reforço da competitividade, uma vez que são “objetivos especialmente relevantes” no contexto de crise sanitária e socioeconómica.

No pacote de sugestões apresentadas ao Executivo estão medidas de simplificação legislativa e de natureza fiscal que, na opinião dos proponentes, não implicam qualquer impacto financeiro nos orçamentos tanto do próximo ano como de 2022.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

INEM tem 18 profissionais infetados com Covid-19 e 39 de quarentena

Num boletim hoje divulgado, o Instituto Nacional de Emergência Médica avança que, a 22 de novembro, estavam 18 trabalhadores infetados, 38 em isolamento profilático e 16 profissionais estavam sob vigilância da Comissão de Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobianos (CCIRA) do INEM, sendo o registo mais elevado desde o início da pandemia.

CGTP reconhece avanços no OE mas acusa PS de “manter intocáveis interesses do grande capital”

Para a Intersindical, “a situação que atravessamos, resultado de décadas de política de direita agravadas pela Covid-19, carece de uma resposta articulada, abrangente e que rompa com as causas que estão na origem dos constrangimentos estruturais com que o país se debate”.

Brexit: Portugueses falharam quase oito mil candidaturas à residência no Reino Unido

Das 296.850 candidaturas de cidadãos portuguesas processadas até ao final de setembro, 7.780 foram consideradas inválidas (3.610 ), retiradas ou anuladas (3.370) ou recusadas (800), o que corresponde a 2,6%, acima da média geral.
Comentários