“Business Rail” na China: Empresários portugueses viajam de comboio entre Pequim e Macau

O conceito, designado Business Rail, visa juntar empresários de diferentes setores e países em viagens de comboio sob o pretexto de partilha de conhecimentos e networking.

Jason Reed/Reuters

Durante 12 dias, cerca de 20 empresas vão juntar-se num evento de networking e partilha de conhecimento empresarial que vai decorrer ao longo de viagens de comboio pela China. O conceito, designado “Business Rail”, visa juntar empresários de diferentes setores e países em viagens de comboio. A próxima edição, que decorre na China, entre os dias 9 e 20 de outubro, arranca em Pequim e termina em Macau, com passagens por Xangai, Shenzhen e Hong Kong.

A fundadora da iniciativa falou com o Jornal Económico e explicou que o conceito deste evento baseia-se essencialmente na necessidade de fomentar a cooperação entre empresas e governos em Portugal e na China. “Acaba sempre por ser uma comitiva internacional, entre vários países, mas focamo-nos principalmente em países de língua portuguesa e Portugal”, esclareceu Gabriela Faria de Oliveira.

“Desenvolvemos esta iniciativa com um grande foco no networking dentro da própria carruagem do Business Rail. Desde speed meetings, a apresentações. E além disso fazemos com alguns parceiros locais, ou os hosts de cada uma das cidades, atividades específicas”, conta, acrescentando que algumas associações, como o China Overseas Development Association que vai prestar apoios em Shenzhen ou o Invest Hong Kong que colaborar com a organização naquela região, integram na lista de parceiros institucionais.

Cada cidade ou região chinesa vai estar focada em temáticas diferentes com base nas suas principais áreas de atividade. Pequim vai ter um programa centrado  em temáticas institucionais devido à presença de embaixadas, Xangai no comércio internacional e Shenzhen – ou a Sillicon Valley do Oriente – vai-se focar nas tecnologias e inovação. Hong Kong terá uma programação semelhante à de estas duas últimas  cidades. A viagem termina em Macau, onde os empresários vão participar na Feira Internacional de Comércio e Investimento.

Assim, as empresas – tecnológicas, de investimento, imobiliário, consultoria e agroalimentar – têm oportunidade de “entrar e sair da viagem” consoante o seu interesse, sem nunca serem obrigadas a viajarem durante os 12 dias. “Podem entrar em Pequim, como podem entrar em Shenzhen. Podem fazer um percurso mais curto consoante a disponibilidade e o interesse da empresa”, explica a organizadora.

Dado o interesse internacional no mercado chinês, Gabriela Faria de Oliveira sublinha a importância em fomentar as ligações empresariais entre estas duas nações.

O evento é realizado em parceria com a agência de viagens Color Travel, que desenhou o roteiro para a segunda edição deste evento. A primeira edição realizou-se na Península Ibérica, em 2018, com partida em Barcelona e destino final no Porto, onde os empresários participaram na Feira Internacional de Negócios.

A iniciativa é organizada em conjunto pelas associações Centro Internacional de Cultura, Young Entrepreneurs Organization of the European Union e Federação SINO PLPE (Países de Língua Portuguesa e Espanhola).

“No futuro queremos ter uma dimensão mais alargada e abranger mais setores”, conta a fundadora. Para o próximo ano, em junho de 2020, a equipa organizacional espera repetir a viagem pelo território ibérico (Barcelona, Madrid, Lisboa, Porto).

Recomendadas

EDP Renováveis fecha contrato de aquisição de energia de 15 anos para um projeto eólico no Canadá

A EDP Renováveis fechou um contrato com a TransCanada Energy para a venda da energia verde do seu parque eólico de Shap Hills, no Canadá.

Aon e Firma estabelecem parceria para soluções globais de financiamento das empresas

Bernardo Theotónio-Pereira explica a parceria com “as necessidades actuais das empresas” que “passam, na sua maioria, por soluções de tesouraria e de funding céleres e independentes da burocracia e lentidão da banca nacional e/ou de outros players ou fundos ‘abutres’ que se instalaram em Portugal ”.

Quem é a Evergrande e porque está a assustar os mercados mundiais?

A iminência de incumprimento por parte do gigante chinês do imobiliário fez tremer os mercados e há já quem tema um impacto sistémico de elevadas proporções. O Jornal Económico falou com analistas do mercado e com o CEO da Vanguard Properties, que deram a sua visão sobre o que se passou com a Evergrande e que impacto pode ter no mercado.
Comentários