Cabo Verde terá nova fábrica de medicamentos

O orçamento para a construção desta unidade fabril é cerca de 800 mil contos, segundo a Inpharma.

A construção da nova fábrica de medicamentos em Cabo Verde inicia-se em meados de 2020 com um orçamento de cerca de 800 mil contos, anunciou o presidente do conselho de administração da Inpharma, Joaquim Coimbra.

“Trata-se de uma fábrica que depois de construída terá a sua qualificação em termos de equipamentos e certificações internacionais e, portanto, queremos uma certificação europeia”, disse aquele responsável, justificando que a nova unidade produzirá medicamentos para entidades europeias.

Joaquim Coimbra fez este anúncio durante o “Cabo Verde Investment Fórum-2019” (CVIF), realizado recentemente na cidade turística de Santa Maria, na ilha do Sal, o qual contou com mais de 400 participantes provenientes de várias partes do mundo.

Segundo Joaquim Coimbra, se tudo correr bem, a nova fábrica começará a laborar em finais do primeiro semestre de 2021. O responsável da Inpharma explicou que a referida unidade de produção de medicamentos surge porque a actual já não consegue satisfazer as demandas do mercado.

“Vamos criar 30 novos postos de trabalho de elevada classificação técnica e académica”, adiantou, revelando ainda que a futura fábrica terá a capacidade de dez milhões de unidades de venda – quatro vezes mais do que a atual.

Joaquim Coimbra indicou, por outro lado, que a nova unidade fabril terá um “rigoroso controlo de consumo de água e drenagem de afluentes”, em ordem a implementar os critérios ambientais. “A nova fábrica é também para servir a sub-região africana e outros países fora dela”, rematou.

Ler mais
Recomendadas

BICV e Ecobank emprestam 21 milhões de euros à Cabo Verde Airlines

Os representantes dos bancos, BICV e Ecobank, que vão assegurar este financiamento assumiram acreditar no projeto, classificando-o de “estratégico” para Cabo Verde.

Governo de Cabo Verde vai impedir interferência na aprovação do orçamento do banco central

Segundo o ministro das Finanças cabo-verdiano, os órgãos do Banco de Cabo Verde terão “todos os poderes para fazer a gestão da instituição e prestar contas às entidades externas nos termos que a lei dispõe”.

Ulisses Correia: “É preciso investir mais nas posturas municipais e na autonomia das famílias”

O primeiro-ministro de Cabo Verde disse afirma que toda a estratégia de desenvolvimento do país tem “necessariamente” de se basear em horizontes temporais de longo prazo para atingir objetivos com “consistência, perseverança e atitude empreendedora”.
Comentários