Cabo Verde terá nova fábrica de medicamentos

O orçamento para a construção desta unidade fabril é cerca de 800 mil contos, segundo a Inpharma.

A construção da nova fábrica de medicamentos em Cabo Verde inicia-se em meados de 2020 com um orçamento de cerca de 800 mil contos, anunciou o presidente do conselho de administração da Inpharma, Joaquim Coimbra.

“Trata-se de uma fábrica que depois de construída terá a sua qualificação em termos de equipamentos e certificações internacionais e, portanto, queremos uma certificação europeia”, disse aquele responsável, justificando que a nova unidade produzirá medicamentos para entidades europeias.

Joaquim Coimbra fez este anúncio durante o “Cabo Verde Investment Fórum-2019” (CVIF), realizado recentemente na cidade turística de Santa Maria, na ilha do Sal, o qual contou com mais de 400 participantes provenientes de várias partes do mundo.

Segundo Joaquim Coimbra, se tudo correr bem, a nova fábrica começará a laborar em finais do primeiro semestre de 2021. O responsável da Inpharma explicou que a referida unidade de produção de medicamentos surge porque a actual já não consegue satisfazer as demandas do mercado.

“Vamos criar 30 novos postos de trabalho de elevada classificação técnica e académica”, adiantou, revelando ainda que a futura fábrica terá a capacidade de dez milhões de unidades de venda – quatro vezes mais do que a atual.

Joaquim Coimbra indicou, por outro lado, que a nova unidade fabril terá um “rigoroso controlo de consumo de água e drenagem de afluentes”, em ordem a implementar os critérios ambientais. “A nova fábrica é também para servir a sub-região africana e outros países fora dela”, rematou.

Ler mais
Recomendadas

Isabel dos Santos diz que Angola vive em “instabilidade”

“Estão a viver-se momentos difíceis, não há dúvida. Estamos a viver momentos de grandes dúvidas e o que é fundamental e importante é que se respeite o Estado de Direito. É muito importante que se respeitem as leis, é muito importante que não haja atropelos entre os três poderes, que as pessoas tenham confiança na Justiça”, diz empresária angolana.

Isabel dos Santos diz que não usa dinheiro público angolano para investir

“Trabalho com bancos em Cabo Verde, com bancos em outros países africanos, bancos que nos apoiam, que acreditam nos projetos, que acreditam na validade dos projetos que nós propomos. Portanto, tenho muitas dívidas”, afirma a empresária angolana.

Capital da CV Telecom vai ser dispersado em 2020

O ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, anunciou esta sexta-feira na conferência da Lusa que em 2020 o capital da CV Telecom será dispersado em bolsa, através de convite a empresas estrangeiras.
Comentários