Call centers da Meo e Nos com greves em 19 e 21 de março

Trabalho desgastante que exige formação contínua e tarefas de grande responsabilidade não pode ser pago com o salário mínimo nacional, defende Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual.

Os trabalhadores das empresas Manpower, Randstad, Egor, RHmais e Multitempo, a prestarem serviço nas operadores MEO e NOS, estarão em greve nos próximos dias 19 e 21 de março com concentração de protesto junto a alguns locais de trabalho, revela o Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual (SINTTAV).

Segundo este sindicato, os trabalhadores das empresas Manpower, Randstad, Egor, RHmais e Multitempo, a prestarem serviço nas operadores MEO e NOS, partilham dos mesmos problemas laborais.

O SINTTAV destaca que, no sector de telecomunicações, trabalhar num serviço de call center, back office ou loja, em contacto permanente com o público, “é um trabalho desgastante”, acrescentando que “exige formação contínua, capacidade de desenvolvimento de tarefas de grande responsabilidade que não pode ser pago com o salário mínimo nacional, como se tratasse de trabalhadores não qualificados”.

“O período da crise e das “troikas” já passou, estamos em 2019, a economia cresce e as empresas a terem mais lucros, onde está a parte dos trabalhadores?”, questionado o sindicato, recordando que os “call centers triplicam facturação mas salários baixam”

Para o SINTTAV esta realidade vem comprovar as condições em que os trabalhadores laboram nos call centers e reforçar a posição “critica e reivindicativa” deste sindicato que, diz,  exige salários compatíveis com o nível de qualificação no desempenho das funções.

Na próxima terça-feira, 19 de março, , a concentração decorrerá, a partir das 10h30 até as 12h00, junto ao Contact Center da MEO Altice, em Santo Tirso, local onde se encontram a trabalhar cerca de meio milhar de trabalhadores. Já no dia 21 de março, decorrerá a partir das 10h30 até as 12h00, junto ao edifício da NOS, em Campanhã, no Porto.

Ler mais
Recomendadas

COTEC Portugal lamenta morte de João Vasconcelos, “o autor do futuro”

“Na memória da sua curta vida, João Vasconcelos é um autor do futuro, com contribuição inigualável para o progresso da inovação empresarial, o empreendedorismo e as políticas públicas”, diz a COTEC, liderada por Jorge Portugal.

CGD: BE questiona EY sobre créditos aprovados com base em “concorrência de mercado”, apesar de pareceres negativos

A responsável da auditoria da EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, Florbela Lima, revela que a auditora não avaliou “qualidade das decisões” como créditos aprovados com risco negativo. A resposta foi dada à deputada do BE, Mariana Mortágua, na comissão parlamentar de inquérito (CPI) à gestão da CGD, que arrancou nesta terça-feira, 26 de março, os trabalhos no Parlamento.

Licínio Pina espera que Governo devolva Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo este ano

O Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo tem um volume de 300 milhões mas só 200 milhões serão devolvidos à esfera da gestão da Caixa Agrícola.
Comentários