Câmara de Cascais lidera gastos das autarquias no combate à Covid-19

Autarquia presidida por Carlos Carreiras destaca-se na resposta à pandemia, com contratos de aquisição de equipamentos e material hospitalar num total de oito milhões de euros. Mas outras dezenas de câmaras municipais estão a contribuir na crise de saúde pública, com ofertas de ventiladores no Porto e em Oeiras.

A Câmara de Cascais foi responsável por mais de metade dos mais de 13,5 milhões de euros gastos até agora pelas autarquias portuguesas no combate à pandemia de Covid-19, cerca de oito milhões de euros destinados a uma dezena de contratos que vão desde compras de equipamento de proteção individual a ventiladores para unidades de cuidados intensivos, superando o investimento dos municípios de Lisboa, Oeiras, Porto e Amadora.

Entre os contratos registados pela Câmara de Cascais no portal de contratação pública Base destaca-se a compra por 4,9 milhões de euros (acrescidos de IVA) de dois milhões de máscaras cirúrgicas, 1,2 milhões de luvas de proteção, 250 mil máscaras FFP2, 200 mil batas e 50 mil viseiras, destinadas também a outros concelhos da Área Metropolitana de Lisboa, tal como foi referido pelo presidente da autarquia, Carlos Carreiras. Este contrato foi assinado por ajuste direto com a empresa ENERRE – Produções e Representações, que também foi a fornecedora escolhida em vários outros contratos de compra de equipamentos de proteção individual, termómetros ou testes de diagnóstico de Covid-19.

Também a ENERRE foi a entidade contratada pela Câmara de Lisboa, até agora a segunda autarquia portuguesa que mais gastou com o combate à pandemia, num contrato por ajuste direto de compra de fatos descartáveis, luvas e máscaras cirúrgicas, no montante de 1,3 milhões de euros, tendo adjudicado máscaras a outros fornecedores, elevando o gasto da autarquia presidida por Fernando Medina com a prevenção dos efeitos da Covid-19 para 2,3 milhões de euros.

O terceiro município que mais contribuiu até agora foi o de Oeiras, com o executivo camarário liderado por Isaltino Morais a fazer dois contratos de aquisição de ventiladores, num valor total de 643 mil euros, destinados ao Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, que também inclui o Hospital de Santa Cruz, localizado em Carnaxide. Outros contratos de compra de equipamentos de proteção individual elevaram o total de despesa relacionada com a pandemia para 800 mil euros.

Logo a seguir, a Câmara do Porto registou no portal Base contratos no valor de 600 mil euros, com 349 mil euros destinados à compra de ventiladores importados da China para os hospitais do segundo concelho de Portugal a registar mais casos de infeção por Covid-19. Além disso, a autarquia presidida por Rui Moreira também já assinou contratos para a compra de equipamentos de proteção individual ou de uma câmara de conservação de cadáveres no âmbito do plano de contingência.

Também acima de 100 mil euros passaram já os gastos feitos pelas câmaras municipais da Amadora (453 mil euros), Sintra (168 mil euros), Cantanhede (149 mil euros), Leiria (142 mil euros), Ponte de Lima (120 mil euros) e Braga (111 mil euros), existindo mais 22 autarquias que já registaram contratos, quase todos relacionados com a compra de equipamentos de proteção individual.

A pandemia de Covid-19 já provocou 504 mortes em Portugal, num total de 16.585 casos confirmados, segundo os dados oficiais mais recentes, revelados neste domingo pela Direção-Geral de Saúde.

Ler mais
Recomendadas

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

OMS admite transmissão do vírus pelo ar e pede que se evitem espaços fechados

Um grupo de mais de 200 cientistas já tinha alertado para essa possibilidade, uma carta aberta dirigida à Organização Mundial de Saúde.

EDP interveio em avaliações do Credit Suisse e Caixa BI às barragens, diz Tribunal

O Tribunal apontou para provas que indiciam que o Crédit Suisse entregou a Rui Cartaxo um “‘memorandum’ relativo à avaliação da extensão do domínio hídrico, o qual foi apreendido nas buscas à sede da EDP” e que isso alegadamente demonstra que foi a elétrica que “orientou o Crédit Suisse na avaliação do domínio hídrico”.
Comentários