Canadá quer envolver Cuba numa solução para a Venezuela

Juan Guaidó encontrou-se com o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, e parece ter ficado algo surpreendido dado o alinhamento tradicional entre Caracas e Havana. Falta ainda saber a opinião da Casa Branca sobre tão disruptiva opinião.

O Canadá é a mais recente escala do périplo planetário que Juan Guaidó, líder da oposição venezuelana ao regime de Nicolás Maduro, está a fazer há cerca de uma semana – e que o levou, entre vários outros lugares, ao Fórum de Davos. E foi em Otava, Canadá, que Guaidó ouviu do primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, e do ministro das Relações Exteriores, François-Philippe Champagne, um ambicioso plano de paz e entendimento que, para ser verdadeiramente eficaz, deve tentar envolver Cuba, o principal aliado regional de Maduro.

Donald Trump, que por essa altura estava envolvido noutro plano de Paz, o do Médio Oriente, ainda não se pronunciou, mas nada indica que a Casa Branca venha a apoiar a iniciativa canadiana.

François-Philippe Champagne disse que conversou por telefone com Gustavo Meza Cuadra, ministro das Relações Exteriores do Peru (que chefia o Grupo de Lima), sobre medidas adicionais para encontrar uma solução para a crise venezuelana. “Precisamos de pensar no próximo passo”, disse Champagne, afirmando que o Canadá entrará em contato com alguns países que podem ajudar nessa tarefa – e que um deles é Cuba.

Guaidó reconheceu que o regime cubano pode ser “parte da solução” – mas não se coibiu de recordar que  até o momento Havana apenas apoiou o governo de Maduro e tem estado sempre ao lado do regime. Hugo Chávez, antecessor de Maduro e que foi operado várias vezes em Cuba, teve sempre naquele país (e também na Bolívia de Evo Morales) o suporte necessário para empreender as suas políticas internas.

O ministro das Relações Exteriores do Canadá disse em entrevista coletiva que a conversa com Guaidó estava focada na necessidade de “reavivar” os esforços para resolver a crise no país sul-americano e observou que o Canadá quer uma transição pacífica, liderada pelo povo venezuelano através de eleições livres, justas e o mais rapidamente possível.

Juan Guaidó também participou numa reunião com embaixadores de países que compõem o Grupo de Lima – que se tem destacado no combate ao regime de Maduro, apesar das reticências de alguns dos países que o compõem. Aos embaixadores, Guaidó afirmou que “com o primeiro-ministro Justin Trudeau conversámos sobre a necessidade de consolidar ações internacionais para defender os direitos humanos na Venezuela e a segurança da região.

Londres, Bruxelas, Paris e Madrid foram as capitais europeias por onde Juan Guaidó passou, com encontros ao mais alto nível. Entretanto, a imprensa especula que Guaidó pode ainda, antes de regressar à Venezuela, ser recebido na Casa Branca por Donald Trump. No início do périplo internacional, a 19 de janeiro, Guaidó encontrou-se com o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo.

Ler mais
Recomendadas

Azul e dourado de regresso. Passaporte britânico vai ser emitido em março

O anúncio foi feito pela secretária do Interior, Priti Patel, que colocou a imagem do novo passaporte no Twitter. O passaporte azul e dourado vai voltar a ser emitido pela primeira vez depois de três décadas, quando se instalou o passaporte de aspeto único em 1988.

Covid-19: MNE está a acompanhar situação de tripulante português que estará infetado

Segundo adiantou a mulher de Adriano Maranhão, Emmanuelle, o português “foi examinado pela primeira vez há dois dias”, após “terem desembarcado os passageiros”.

Covid-19: Tripulante em navio japonês pode ser primeiro português infetado

“Estamos à espera de informação. Como é de noite agora no Japão, calculo que amanhã tenhamos informação concreta sobre os resultados”.
Comentários