Canarinha contra Bolsonaro. Seleção brasileira “contra a organização da Copa América” (com áudio)

A seleção de futebol do Brasil declarou-se “contra a organização da Copa América” num manifesto conjunto partilhado nas redes sociais por vários jogadores, incluindo o capitão e maior estrela brasileira, Neymar. A Copa América está marcada para começar no Brasil no domingo.

8 – Brasil

“Somos contra a organização da Copa América, mas nunca diremos não à Seleção Brasileira”, lê-se no comunicado, endereçado “aos mais de 200 milhões de torcedores” brasileiros.

“Somos um grupo coeso, porém com ideias distintas. Por diversas razões, sejam elas humanitárias ou de cunho profissional, estamos insatisfeitos com a condução da Copa América pela Conmebol, fosse ela sediada tardiamente no Chile ou mesmo no Brasil”, explicam os atletas da ‘canarinha’.

“Todos os factos recentes nos levam a acreditar num processo inadequado”, frisaram os jogadores.

Ainda assim, os jogadores lembram que são trabalhadores e profissionais de futebol e que têm “uma missão a cumprir com a histórica camisa verde-amarela pentacampeã do mundo”.

“Somos contra a organização da Copa América, mas nunca diremos não à Seleção Brasileira”, concluíram.

A próxima edição da Copa América seria organizada de forma conjunta pela Argentina e pela Colômbia, mas os dois países, por diversas razões, desistiram de organizar o torneio, pelo que a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) confiou então a missão ao Brasil, embora seja um dos países mais afetados pela pandemia em todo o mundo.

Recomendadas

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários