Candidaturas a programa mundial para startups de energia estão abertas

O “Starter Business Acceleration”, criado pela EDP, está a receber inscrições até ao próximo dia 20 de abril. A final acontecerá na Web Summit, em Lisboa.

O programa internacional “Starter Business Acceleration”, criado pela EDP – Energias de Portugal para apoiar pequenas empresas de energia, abriu esta segunda-feira as candidaturas para edição de 2020. As inscrições decorrem até ao próximo dia 20 de abril e têm sete categorias disponíveis: energias limpas, soluções para clientes, inovação digital, armazenamento de energia, redes inteligentes, acesso à energia e processos internos inovadores.

O acelerador que pretende unificar os vários instrumentos de apoio ao empreendedorismo do grupo EDP terá este amo módulos em três cidades: São Paulo (Brasil) – de 30 de junho a 2 de julho –, Houston (Estados Unidos da América) – de 21 a 23 de julho – e Viena (Áustria) – de 16 a 18 de setembro.

“É a chamada que a EDP faz a startups e PME de todo o mundo que tenham desenvolvido produtos, serviços ou modelos de negócio inovadores alinhados com a nossa estratégia orientada para a descarbonização, descentralização e digitalização”, esclarece Carla Pimenta, diretora de Inovação da EDP.

A multinacional refere que as startups participantes terão a oportunidade de apresentar as suas soluções para o setor tanto à EDP, EDP Espanha, EDP Brasil e EDP Renováveis como a outras três utilities que integram o programa (American Electric Power, Verbund e Turning Tables). “Os dez projetos com maior potencial serão posteriormente selecionados para a final e o vencedor será anunciado em Lisboa, em novembro, durante a Web Summit, garantindo um prémio de 50 mil euros”, explica a empresa, em comunicado.

Recomendadas

Vendas dos lojistas com quebras de 37% face a 2019. Em Lisboa, a redução é superior a 40%

Por sector de atividade, a restauração continua a ser o setor mais afetado, com a descida das vendas a registar 49,1%, o sector de retalho 34,3% e o sector de serviços 38,5%.

Sociedade do Luxemburgo quer comprar até 450 milhões de euros de dívida da dona do Minipreço

A sociedade do Luxemburgo é a DEA Finance, que é detida pela LetterOne. A mesma LetterOne que é a principal acionista da dona do Minipreço, com 69,76% do capital.

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.
Comentários