Candidaturas ao sistema de incentivos fiscais I&D alargadas até julho

Entre 2006 e 2019, foram recebidas 16.251 candidaturas ao SIFIDE, apresentadas por 4.430 empresas, com um investimento declarado de 9.458,5 milhões de euros. Por sua vez, 3.951 empresas já recuperaram 2.754 milhões de euros do investimento feito nestes projetos.

O Governo estendeu até 31 de julho o prazo para a apresentação de candidaturas ao Sistema de Incentivos Fiscais para as atividades de Investigação e Desenvolvimento (I&D), foi esta quinta-feira anunciado.

“As empresas com atividades de Investigação e Desenvolvimento (I&D) têm mais um mês para recuperar parte do investimento que realizaram nos seus projetos através da dedução à coleta de IRC”, anunciou hoje, em comunicado, a Agência Nacional de Inovação (ANI), que gere o Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial (SIFIDE).

As candidaturas podem assim ser apresentadas até 31 de julho, sem acréscimos ou penalizações.

O alargamento do prazo de candidaturas foi determinado pelos ministérios da Economia e Transição Digital, das Finanças e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Esta decisão tem em vista flexibilizar o cumprimento das obrigações fiscais e reforçar o “princípio de colaboração mútua e os mecanismos facilitadores do cumprimento voluntário de obrigações e concessão de benefícios”.

Entre 2006 e 2019, foram recebidas 16.251 candidaturas ao SIFIDE, apresentadas por 4.430 empresas, com um investimento em I&D declarado de 9.458,5 milhões de euros. Por sua vez, 3.951 empresas já recuperaram 2.754 milhões de euros do investimento realizado nestes projetos.

O incentivo abrange as despesas de investigação “com vista à aquisição de novos conhecimentos científicos ou técnicos” e de desenvolvimento “com vista à descoberta ou melhoria substancial de matérias-primas, produtos, serviços ou processos de fabrico”.

Recomendadas

Governo vai criar 500 vagas no Ensino Superior para alunos em zonas desfavorecidas (com áudio)

Esta é uma medida que já estava prevista no Plano Nacional de Combate ao Racismo e à Discriminação 2021-2025, que esteve em discussão pública entre maio e abril.

Escolas vão ter mais seis milhões de euros para comprar material de protecção (com áudio)

A verba anunciada prevê, assim, a compra de máscaras para os alunos do primeiro ciclo do ensino básico. Podem ainda ser adquiridos equipamentos de protecção individual, bem como de produtos de desinfecção e limpeza – nomeadamente luvas e aventais laváveis e solução antissética de base alcoólica

Abandono no ensino superior aumentou em 2019/20 contrariando tendência anterior

Das licenciaturas aos mestrados integrados, incluindo também os cursos técnicos superiores profissionais (CTeSP), a percentagem de estudantes que já não estavam no sistema de ensino superior um ano após iniciarem o curso aumentou ligeiramente e de forma transversal no ano letivo 2019/2020, em instituições públicas e privadas.
Comentários