Capítulo sobre as barragens da EDP excluído do relatório da comissão de inquérito

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, redigido pelo deputado Jorge Costa do BE, deverá acabar por ser aprovado. Mas o capítulo sobre a “a extensão sem concurso do uso do Domínio Público Hídrico a favor da EDP” já foi chumbado.

Ainda está a decorrer a votação alínea a alínea, proposta a proposta (de alteração), do relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, redigido pelo deputado Jorge Costa, do Bloco de Esquerda (BE). A aprovação global parece não estar em risco, mas o capítulo sobre a “a extensão sem concurso do uso do Domínio Público Hídrico a favor da EDP” já foi chumbado.

O capítulo dois, sobre a extensão do domínio hídrico à EDP, vai desaparecer do relatório final da comissão de inquérito, deixando assim de existir referência a esse processo, um dos mais debatidos nas audições. O corpo do capítulo dois – que antecede a votação das respetivas conclusões e recomendações, que já não chegou a acontecer – foi chumbado (e, por isso, excluído), com os votos contra do PSD e a abstenção do PS e do CDS-PP.

O capítulo relativo à “extensão sem concurso do uso do Domínio Público Hídrico a favor da EDP e metodologia do cálculo da compensação a pagar ao sistema elétrico nacional” contou com os votos favoráveis apenas do BE, PCP e PEV. Assim, desaparece do relatório final da comissão parlamentar de inquérito a referência aos 27 contratos de concessões hidroelétricas a favor da EDP, bem como a ausência de concurso público neste processo.

A partir do chumbo deste capítulo, o deputado Hélder Amaral, do CDS-PP, anunciou que não se ia pronunciar sobre mais qualquer capítulo, uma vez que o documento acabava “de morrer”. “Trata-se de um dos temas mais debatidos [ao longo das audições da comissão]. Com a não inclusão do epicentro que é a extensão do domínio hídrico – era possível ter feito melhor e ter defendido melhor o interesse público – este relatório fica muito aquém”, declarou o deputado.

Em resposta, o deputado do PCP Bruno Dias lamentou que, quando ainda decorre a votação do capítulo dois, já existam “certidões de óbito”, acusando o PSD de ser responsável pelo chumbo do capítulo relativo à extensão do domínio público hídrico, e também o CDS-PP de ter contribuído “para a exclusão do capítulo”.

Relacionadas

Jorge Costa antecipa “aprovação à vista” do relatório sobre as rendas excessivas da eletricidade

“Aprovação à vista do relatório de que sou autor na comissão de inquérito às rendas da eletricidade. Votações durante a tarde. Conhecemos as rendas excessivas e quem as criou. Sabemos como as eliminar. Agora é querer”, escreveu o deputado do Bloco de Esquerda no Facebook.

Relatório final da comissão de rendas excessivas votado hoje na especialidade

O documento vai ser debatido junto com as propostas de alteração apresentadas pelos diferentes partidos, depois de a versão inicial ter sido criticada à Direita por ter uma “visão partidária do assunto”.

“Não é possível apontar ao meu Governo qualquer favorecimento à EDP”, diz Sócrates aos deputados

Nas respostas a que a agência Lusa teve acesso e que foram enviadas, por escrito, aos deputados da comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade, José Sócrates deixa claro que, em relação à criação dos CMEC, “tudo se passou” e todas as medidas foram decididas antes do seu executivo tomar posse em março de 2005″.
Recomendadas

Descubra a NAV, segundo o humor do secretário de Estado das Comunicações

Alberto Souto de Miranda acredita que os próximos dez anos da empresa responsável pela gestão do tráfego aéreo em Portugal “serão uma história de sucesso para celebrar”.

IP relança concurso para linha ferroviária da Beira Alta com preço base de 80 milhões

O anterior concurso foi anulado por todas as propostas concorrentes terem superado o valor base inscrito no caderno de encargos, atrasando todo o processo.

Grupo Vila Galé vai entrar no setor agroindustrial

O grupo hoteleiro vai investir numa central de fruta, para produzir e vender fruta, compotas de fruta, fruta laminada e fruta desidratada, para abastecer a cadeia e vender a clientes externos.
Comentários