Carlos Costa alerta: falta de união na Europa contra a Covid-19 vai “alimentar o populismo”

Se os países saírem da crise a um ritmo diference e com diferentes níveis de coesão social e de força económica, isso terá um grande impacto em termos políticos, porque irá alimentar o populismo — um grande risco para a aceitação da UE”, vincou o ainda Governador do Banco de Portugal, numa entrevista à OMFIF.

Cristina Bernardo

O ainda Governador do Banco de Portugal (BdP) e membro do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE), Carlos Costa, alerta para uma das principais consequências políticas se os Estados Membros da União Europeia (UE) não se unirem eficazmente contra o impacto económico da Covid-19: o reforço dos movimentos populistas.

Numa entrevista ao Fórum Oficial das Monetárias e Financeiras (da sigla inglesa, OMFIF), publicada esta sexta-feira, Carlos Costa mostrou-se “muito preocupado” a possível recuperação dos Estados Membros da UE a diferentes velocidades.

“Se não tivermos em atenção de que precisamos de dinheiro público para preservar a coesão social, vamos criar um problema. carlos que, na próxima segunda-feira, será sucedido por Mário Centeno na liderança do banco central nacional e no Conselho de Governadores do BCE, o órgão de Frankfurt que decide a política monetária para a zona euro.

“Se compararmos os custos, a solidariedade será mais barata do que o custo de oportunidade de quebrar as cadeias de produção, quebrar o mercado interno e quebrar a solidariedade social”, reforçou Carlos Costa.

O Governador enfrentou duas crises económica e disse que a crise financeira de 2008 e 2009, que depois se ‘transformou’ numa crise de dívidas soberanas, é distinta da crise da Covid-19.

A primeira, “teve origem no sistema financeiro”, enquanto a segunda deveu-se a um “choque externo”, na qual, Carlos Costa, enalteceu a importância das moratórias ao crédito.

A crise causada pelo novo coronavírus teve um “primeiro impacto nas condições sanitárias, depois na oferta por causas as medidas de contenção do contágio [do vírus], e depois nos fluxos de dinheiro e rendimentos e, depois, na procura. Em paralelo, observámos um impacto no setor financeiro porque deixou de ser possível de reembolsar o capital ou de pagar juros, o que levou à tomada de decisões sensatas na aceitação de moratórias nos pagamentos de juros e do principal”, disse Carlos Costa.

Neste domínio, Carlos Costa enalteceu a importância da transmissão da política monetária decidida em Frankfurt para as economias dos países da zona euro, sem a qual não haverá recuperação da economia.

“Para cumprirmos o nosso mandato, temos de assegurar que a política monetário vai elevar a taxa de inflação para a meta, que é perto de, mas abaixo dos 2%. Para isso, é preciso assegurar que a política monetária é transmitida de forma apropriada. Existem dois riscos à sua transmissão: fragmentação geral e transmissão monetária e bancária. Precisamos de atuar sobre os dois riscos para assegurar a subida da inflação. Isto requer uma economia reparada com crescimento do emprego e da economia. Não existe estabilidade sem a transmissão da política monetária. E, sem transmissão da política monetária, não haverá recuperação. E, se não houver recuperação, não haverá ressurgimento”, vincou Carlos Costa.

O Governador trabalhou com três presidentes do BCE diferentes — Jean-Claude Trichet, Mario Draghi e Christine Lagarde. Sobre todos eles, realçou que o BCE teve a felicidade de ter “o presidente certo no momento certo”.

“Com Jean-Claude Trichet, foi muito importante reforçar o BCE. Tivemos de ser pacientes e de negociar muito. As qualidades do Jean-Claude Trichet serviram muito bem este propósito. Quando chegou o Mario Draghi, precisávamos de alguém com clarividência. E percebeu muito bem as relações de força, quando era possível, ou não, andar para a frente. E percebeu quando tinha o apoio da maioria. Mario Draghi percebe o que é essencial e fê-lo muito bem. Na fase em que estamos agora, é necessário uma mistura entre as abordagens de Trichet e de Draghi. A Christine Lagarde tem as qualidades para assegurar esse simbiose: dando atenção suficiente aos passos que têm de ser dados e ao mesmo tempo assegurando que as relações permanecem fortes e próximas. Ela é a pessoa certa para o momento certo”, afirmou Carlos Costa.

 

Ler mais

Relacionadas

BCE não surpreende. Mantém taxas de juro inalteradas e não ‘carrega’ bazuca anti-Covid-19

O Banco Central Europeu manteve esta quinta-feira as taxas de juro inalteradas e não reforçou o ‘Pandemic Emergency Purchase Programme’ (PEPP), que se mantém com um volume total de 1,35 biliões de euros.

3.694 dias de Carlos Costa no Banco de Portugal: três momentos decisivos no mandato do governador

Carlos Costa liderou o Banco de Portugal durante 3.694 dias e foi sempre ao domingo, por volta das 23h00, que a instituição aplicou medidas de resolução a dois bancos no espaço de 16 meses: o BES, em 2014, e o Banif, em 2015. Pelo meio, ao longo de dois mandatos, foram vendidas duas instituições financeiras em processos que não estiveram isentos de críticas e que geraram repercussões.

PremiumMário Centeno assume Banco de Portugal na segunda-feira

Conselho de Ministros oficializou a nomeação do ex-ministro das Finanças como governador após a aprovação do relatório da sua audição. Já a escolha de novos administradores poderá demorar devido às férias dos deputados.
Recomendadas

Jerónimo Martins aprova dividendos de 13,8 cêntimos por ação

O pagamento do dividendo aos acionistas – 86,7 milhões de euros – acontecerá no próximo dia 16 de dezembro.

PSI-20 fecha com perdas ligeiras em dia que os juros a 10 anos negociaram a taxas negativas pela primeira vez

O principal índice bolsista português fechou com uma desvalorização de 0,46% para 4.607,25 pontos. É a primeira queda ao fim de cinco sessões a negociar no ‘verde’. A praça lisboeta, que arrancou com ganhos, acabou por ficar penalizada pela desvalorizações do BCP e da Galp.

Histórico: Juros da dívida portuguesa a 10 anos negociaram a taxas negativas pela primeira vez

Apesar da crise provocada pela pandemia, a ação do Banco Central Europeu (BCE) tem beneficiado o custo da dívida portuguesa. Os juros atingiram hoje os -0,001%.
Comentários